segunda-feira, fevereiro 02, 2009

ALTERAÇÃO E INTERAÇÃO

"Dar a outra face", que ensino mais profundo, mas de tão difícil prática. Difícil de praticar pois estamos vivendo sob as leis da dualidade que regem esse mundo e estamos também tão profundamente acostumados a reagir com a emoção, que fica quase impossível, meditarmos a ação.

Meditar a nossa ação em relação à emoção é um trabalho de Hércules, pois exige força, exige coragem e exige muita observação, afinal estamos sempre reagindo com emoção, indo e vindo, ouvindo e respondendo, recebendo e dando, apanhando e batendo, sempre com emoção.

Estamos sempre apanhando e batendo nesse combate inútil de propagar a emoção, de não aceitarmos o "não"; de querermos provar a nossa razão, e lá no fundo, fazendo tudo isso por medo de não sermos aceitos no mundo dos outros, medo de não sermos escolhidos pelo olhar do outro. Não precisa ser assim...

Não precisa ser assim no nosso mundo. Podemos cultivar uma vida baseada na harmonia, na alegria e na ausência da ação provocada pela emoção. Harmonia no bailar nesse mar das vibrações do bem e do mal que exigem, onda vai e onda vem, um lado; alegria para compreender que nem sempre bons ares carregam as ventanias; e a não-reação, como bem ensinou Gandhi, como ainda ensina o Rabi, na santa lição da outra face dar. Vivendo assim, podemos criar um novo ponto de vista, onde ao invés de reagirmos a qualquer provocação, usaremos toda a nossa ação para observar com atenção como certas palavras, certos gestos ou mesmo a ausência deles, carregados de intenção, desejam provocar alguma alteração.

Não altere a sua ação baseado em uma provocação. Observe a ação, se for preciso a sua manifestação, que ela ocorra por precisão, e não para continuar o efeito-cascata de uma maldição.

" Dar a outra face", que lição mais profunda e ao mesmo tempo tão simples, e por ser simples, tão simples quanto a água, não damos a devida atenção às sabedorias que emergem dela. Percebam como a água ao receber a luz do sol, refrata seus raios, absorvendo a força do astro maior e refletindo-a em arco-íris. Assim deveria ser a nossa reação ao mundo dos outros: corpos que interagem e não corpos que colidem.

Daí a importância da observação, e da outra lição do Rabi: "Orai e Vigiai", pois ao vigiar a nossa reação em relação à ação dos outros, podemos nesse momento, escolher outra direção; e ao dirigir a nossa ação baseada na reflexão, e não mais na emoção, poderemos escolher com que forças queremos interagir e qual força ganhará a nossa outra face, o presente do deixar passar.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply