sexta-feira, junho 28, 2013

A verdade não é uma mercadoria que alguém pode lhe dar!


Perguntaram a Osho:

"Osho, você pode resumir os seus ensinamentos em poucas palavras, porque eu só vou ficar por aqui por um dia ou dois?"

É impossível. Em primeiro lugar, não tenho nenhum ensinamento para resumir. Não sou professor, sou uma presença. Não tenho nenhum catecismo. Não posso dar a você dez mandamentos — faça isso, não faça aquilo.

E tudo o que eu digo hoje posso contradizer amanhã — porque o meu compromisso é com o momento. Seja o que for que eu tenha dito ontem, não estou mais comprometido com isso. No momento em que eu disse, fiquei livre. Agora não me preocupo mais com isso, não vou mais olhar para isso novamente.

Tudo o que estou dizendo a você agora é verdade neste exato momento; amanhã não vou mais estar comprometido com isso. O que quer que o amanhã traga vou dizer. Seja o que for que o hoje tenha trazido estou dizendo a você agora. E se as minhas palavras forem contraditórias, quem sou eu para torná-las coerentes? Eu mesmo não faço nenhum esforço.

Meu compromisso é com o momento. Nunca estou comprometido com o passado. Sou como um rio: onde estarei amanhã ninguém sabe, nem eu mesmo. Você vai se surpreender, eu também ficarei surpreendido.

A pergunta deve ser de alguém que vem do continente que eu chamo de “Acirema” — a palavra “América” lida de trás para a frente. A América está às avessas. Tudo se tornou caótico. As pessoas estão com tanta pressa que se esqueceram de que existem algumas coisas que não se pode fazer às pressas, para as quais a paciência é uma exigência. 

Você não pode conseguir a verdade com tanta pressa. A paciência é uma condição básica para isso. Não é como café instantâneo e não vem embalada numa lata. Ela não vem pronta. A verdade não é uma mercadoria que alguém pode lhe dar. Ela cresce em você.

Isso é o que quero dizer quando afirmo que sou uma presença, não sou um professor. Se você está aqui, algo pode crescer em você. Eu digo “pode” porque depende de você. Eu estou aqui. Se você estiver pronto para me receber, algo vai começar a crescer dentro de você. É como uma criança se tornando um jovem. 

Sim, a verdade é assim. A falsa personalidade se vai e chega o ser verdadeiro. É como uma criança se tornando um jovem, um jovem se tornando um velho. Não há maneira de apressar o processo. Você não pode fazer uma criança crescer rápido em uma noite, em um dia ou dois. Vai levar tempo. E é bom que leve tempo, porque só com o tempo as coisas amadurecem.

Não, eu não posso fazer isso, não posso resumir. Não tenho nenhum ensinamento. E, mesmo se tivesse, eu não iria resumi-lo, porque quanto mais você resume algo mais ele se torna menos vivo. O amor é grande, a vida é vasta; a lei é limitada.

A lei pode ser resumida, o amor não pode ser resumido. A lei é definida, mas a vida é excessiva. Você não pode resumir a vida, não pode haver uma sinopse da vida; você pode resumir a lei. Eu sou a vida. Não há como me resumir.

E eu ainda estou vivo, de modo que tudo o que você resumir eu vou destruir amanhã.

Quando você resume, pouco a pouco as coisas se tornam absurdas.

Nunca resuma nada que está vivo. Eu ainda estou vivo. Quando eu estiver morto e tiver partido, então as pessoas vão resumir. E vou causar a elas um monte de problemas. Não será uma coisa fácil. Elas vão enlouquecer. Será impossível me colocar numa sinopse.

Sempre foi assim. Você não pode resumir Buda. Por causa das sumarizações, muitas escolas surgiram. Buda morreu, então havia uma pergunta. As pessoas queriam resumir. Durante quarenta anos o homem ensinou — manhã, tarde, noite — por quarenta anos. Ele tinha falado um bocado, ele tinha dito muitas coisas, e agora tinha partido e seus ensinamentos tinham que ser resumidos. 

A verdade não é como uma mercadoria. Quando vier até mim, se realmente quiser saber qual é a minha verdade, você tem que estar aqui. A minha verdade só pode ser expressa para você quando eu passar a conhecer a sua verdade também. Quando eu passar a conhecer você e você passar a me conhecer, nessa reunião ocorrerá o vislumbre.

A verdade não pode ser dada a você. Você terá que recebê-la e terá que se preparar para ela. Você terá que se tornar um ser em completo relaxamento. Você terá que ser capaz de me absorver e permitir que eu mergulhe profundamente no seu coração.

Foi o que aconteceu...

No Museu Nacional de Amsterdã, um casal de idosos foi ver a obra-prima de Rembrandt “A Ronda Noturna”. Depois de uma longa volta pelos muitos corredores, quando eles finalmente chegaram à famosa pintura, o porteiro ouviu o homem dizer à mulher: “Olhe, mas que bela moldura! 
A moldura podia ser bonita, mas você percebe que algo está faltando nessa admiração? Algo essencial se perdeu. Não estou dizendo que a moldura não fosse bonita, ela podia ser a moldura mais bonita do mundo, mas ir ver a obra-prima de Rembrandt “A Ronda Noturna” e falar sobre a moldura é um absurdo! Mesmo ver a moldura é tolice, estupidez. A pintura não é a moldura. A moldura não tem nada a ver com a pintura.

O que estou dizendo é só uma moldura, o que eu sou é a pintura. Olhe para a obra-prima e não se incomode com a moldura.

Osho, em "O Barco Vazio : Reflexões Sobre as Histórias de Chuang Tzu"


quinta-feira, junho 27, 2013

Repousar na clareza natural da mente


A chave – da pratica budista – reside em aprender a repousar na pura consciência dos pensamentos, sentimentos e percepções à medida que ocorrem. Na tradição budista, essa consciência é conhecida como vigilância, que por sua vez, significa repousar na clareza natural da mente.

Não se concentre sobre qualquer objeto especifico, nem tente controlar seus pensamentos. Mantendo a postura e respiração corretas, sua mente se tranqüilizara naturalmente. Quando os vários pensamentos surgirem, não tente agarrá-los ou empurrá-los; deixe-os ir livremente. O mais importante é despertar do sonho e da fixação, da sonolência e do pensamento, retornando à postura correta, momento a momento.”

Shunryu Suzuki.

quarta-feira, junho 26, 2013

Perseguição


Não sou esquizofrênico, senhor; mas tem algo me perseguindo. Não estou tomando nenhum remédio, mas tenho a sensação de que tudo o que estou sentindo é obra do cão, do obsessor, do mal que atrapalha a vida da gente e por isso, venho fazer essa corrente de palavras para que você, leitor, reze por mim, pois estou sofrendo ataques de todas as partes e sinto que tem algo ou alguém atrás de mim.


Só assim para explicar porque não consigo emprego, porque minha mulher me largou; porque minha empresa faliu e porque meus amigos me deixaram. Como você explica tudo isso assim de uma vez; toda essa má-sorte que reina em minha vida.

Acho que fizeram algum trabalho para mim ou deve ser karma das más ações de uma outra vida; não, só pode ser inveja, competição; alguém quer me destruir, só pode ser isso, só pode ser assim...



Não pode ser porque tenho preguiça de acordar cedo e procurar emprego, nem muito menos porque eu tratava minha esposa como uma empregada; não deve ser porque eu usei o dinheiro da empresa para pagar todos os meus gostos pessoais e me esqueci das contas ou porque eu sempre tratei os meus amigos com desprezo.


Não deve ser por isso, só pode ser uma perseguição...só pode! Não acredita em mim, não é? Eu sei o motivo! É que você também está contra mim, deve estar com eles. Querendo roubar de mim, tudo o que eu tenho.


Pois vou te dizer uma coisa, seu rato, volte para o seu buraco. Conheço a gente da sua laia, só falta conhecer a fundo gente da minha...

terça-feira, junho 25, 2013

O Capacete de Deus

Chega cada coisa em nossa caixa de e-mails: de aparelhos que prometem aumentar o tamanho do pênis à pedido de ajuda vindo de princesas africanas com nomes exóticos; é tamanha a diversidade de artigos e ofertas que fico sempre surpreso com a criatividade humana. Porém, nunca esperei que alguém fosse me oferecer um tal de " Capacete de Deus".


Que Deus deva usar capacete, tenho cá minhas certezas, afinal, o Cara deve ser uma espécie de Surfista Prateado viajando no espaço cabeceando meteoros, mas daí alguém dizer que se eu comprasse esse capacete, sentiria a presença do Gadu, aquilo me ofendeu! E todas as minhas encarnações na Índia e no Egito? Não serviram para nada? Dai, um carinha vem e oferece um capacete à la Doctor Brown do filme " De Volta para o Futuro" e tudo fica assim smart phone comparado ao tijolão da Telesp.


Recusei-me. Eu disse não! Sim, banquei o ofendido. Deus para mim é jantar à  luz de velas e não Big Refeição. Desculpa, posso até ajudar a princesa africana ( passo pro Massami, o aumentador de bilau), mas não vou comprar o capacete. Nem insista, por favor!



segunda-feira, junho 24, 2013

Esquecer para Lembrar


Conta a lenda que houve um dia em que todos acordaram sem religião (Foi um dia antes daquele que a terra parou, como Raul contou). Algum mago maluco havia apagado a idéia que todos temos de Deus e de uma hora para a outra, a religião sumiu da história.

Apagou-se da mente humana qualquer referência as parábolas da Bíblia, os versos do Alcorão, a poesia de Buda, os mistérios do Toráh e o yoga do Baghavda Gita.

Todos os templos do mundo ficaram vazios, pois ninguém mais sabia qual era a serventia daqueles prédios tão belos, mas ocos.


Com a mente vazia das religiões criadas;

Com os olhos limpos das palavras escritas;
Com os ouvidos limpos das preleções manipuladas;
Todo o meu povo sentiu que havia uma presença que nunca partiu.
Presença sagrada que mesmo sem ser nomeada está sempre presente, sempre alcançando o coração da gente, seja no barulho do dia ou no silêncio da madrugada.

E no dia em que não existia a religião, todos estavam, mais do que nunca, religados com a Força Maior que se faz mais notada quando não é apontada.


E durante 24 horas, toda a minha gente percebeu que não precisava pensar sobre, para sentir o que sempre houve; que não precisava tentar compreender para perceber o que há entre eu e você.

Contudo, algum atrevido, algum abelhudo; decidiu escrever um texto sobre o que não precisava ser descrito e o encantamento se desfez; voltou o absurdo de se nomear o que não tem nome; de rotular o que não tem forma.


E a religião voltou ao mundo vestida de palavra.



sexta-feira, junho 21, 2013

Não Há Vida Depois da Morte




Não! Não há vida depois da morte,
há outra coisa que ninguém sabe.

Os que insistem em explicar
o que não pode ser explicado
só se limitam em bobagens;
os que observam
são como as folhas
deixando o vento do inevitável
as carregarem.

Se você não sabe disso
E prefere isso ou aquilo
Que explique o inexplicável;
Tome um chá de Tao,
Tente descrever o inenarrável;
Some todos os nomes de Deus,
E não esqueça do tempo em que era as Deusas,
E veja que não sabemos direito
A moral desse conto de fada;
Mais para não dizerem que essa crônica
Entrou muda e saiu calada,
Pergunto a você: se eu te tirar todos os sentidos,
O que é de você que continua existindo?

quarta-feira, junho 19, 2013

Protestos, Espiritualidade e um Paraíba Cronista



Estou na encruzilhada que cruza a Faria Lima com a avenida JK. Não sei bem como fui parar ali, mas a grande massa de jovens protestando avança na minha direção. Tenho medo de multidão, mas não há como escapar, ou me junto a eles ou eles vão me levar; porém surge uma terceira via: observar. 

Engrenagens de um relógio, ponteiro gira lá e ponteiro gira cá; em movimentos circulares de outras dimensões repercutindo no inconsciente coletivo e atingindo a grande massa que se manifesta por qualquer que seja o motivo social que mais lhe apetece. Trimegistro com seu bastão de ponta de diamante avisa: quando a massa se movimenta reflete ações tanto internas quanto esotéricas.

Continuo observando e o corpo do coletivo que parece vivo se divide em 
duas cabeças, uma segue para a esquerda ( Paulista) e a outra para a direita ( marginal). Naquele momento, percebo a força que se constrói quando dois ou mais se juntam para rezar - o protesto é uma reza, reza brava que faz tremer as nações e assustam poetas.

Um corpo coletivo sem lider é como um trem sem maquinista que parece seguir numa direção,  mas que desgovernado pode descarrilhar em qualquer parte da trilha. Quem leva a multidão ou a multidão segue direções invisíveis que começaram esse movimento nas primaveras árabes e continuam pelo inverno brasileiro?

Continuo observando o dragão se dividir em dois. Um manifestante vem na minha direção e convida: " vem?"; vou! Não penso duas vezes, a febre da multidão me contagia, porém ao dar o terceiro passo e gritar o primeiro verbo, dou-me conta que, médium, ou eu estava incorporado pela multidão...ou pela televisão.


terça-feira, junho 18, 2013

A Gaiola das Palavras





"Ahh... a palavra ou liberta ou vulgariza o despertar. Há pessoas que encantam as outras com palavras e há outras que aprisionam."

Canção Indígena



A Gaiola das Palavras



Sossega as asas passarinho, fecha o bico gavião; para entrar nesse reino é preciso olhos de coruja e pernas finas de flamingo, pois é preciso pisar devagarinho e calar a opinião ao treinar o observar dos tantos caminhos que nos levam as outras dimensões.



Há outras sensações, por isso deixe aflorar os seus sentidos e você vai perceber, passarinho, que começam a surgir outros caminhos para ampliar a sua percepção.



Dai a importância, Gavião, em domar o seu bico para não tentar aprisionar com ganância, essas novas velhas sensações na gaiola das suas palavras cheias de lógica e razões. Sim, novas velhas sensações, pois junto com os outros sentidos, você sentirá também, uma certa familiaridade típica de quem volta ao ninho depois de muito bater asas por outros mundos e junto a tudo isso, há um reencontro com aves antigas e muito amigas que sempre torceram pelo seu retorno.



Nessa festa de retorno, a alegria será tanta que você sentirá uma ânsia de ficar por lá, porém, se você lembrar do tamanho das suas pernas, Flamingo, entenderá que é preciso bater asas e voltar pelo caminho que o trouxe até ali; e se der uma vontade de carregar algo de lá para cá, Coruja, lembra que a licença para
testemunhar só incluía o seu observar.



Contudo, cara Coruja-Flamingo, se você tiver contido a ansiedade do seu passarinho e o tagarelar do seu gavião, vai perceber que ao retornar, voará do seu coração, um beija-flor querendo compartilhar todas as belas sensações do despertar, sensações eternizadas no carinho das outras dimensões que as palavras não conseguem aprisionar.


segunda-feira, junho 17, 2013

O Mau é um Mal Necessário


Doeu, aprendi!

Gozei, esqueci!
É sempre assim, a beleza trás um tim tim de clareza e o feio, nossa que medo e que lição! Quisera eu aprender somente com as coisas do coração; mas não! Já dizia o Mestre Sabumba, as coisas mais profundas saem da ...



É bonito, fiquei encantado e parado!
É estranho, movimentei-me e sai do meu quadrado!
Não deveria ser sempre assim. Há de haver e terá de ter algum lugar em que uma flor desabrochando desperte as mil pétalas das nossas epifanias; mas não aqui nessa dimensão da expiação onde a pedra no caminho ensina mais que a rosa que brigou com o cravo e ascendeu a alma.



O mau é do bem!
O bem é do mau!
Porém, eu que já trilhei o caminho da escuridão posso te afirmar que os dois caminhos levam ao mesmo lugar, mas eu prefiro ir devagarinho no caminho do sorriso, mesmo que leve um infinito para chegar da cama ao pinico.


sexta-feira, junho 14, 2013

Graal




Depois de limpar meus pés e esvaziar minhas mãos, enchi a taça de luz e tenho tentado não desperdiçar; a luz que eu pensei ser infinita, é escassa em minha taça e se eu bobear, ela pode acabar. Será que existe alguma forma de conseguir mais?

Conforme prometi, compartilhei a minha taça, dando luz de beber a quem tinha sede. Por vezes, dá vontade de manter a luz só pra mim, mas a essência da luz é ser compartilhada, mesmo que no final, não me sobre nada.

Quando me deram a luz, tive a escolha de carregá-la no bolso ou mesmo no peito; e embora a luz guardada faça a mente ficar iluminada, a luz não é fera para ficar enjaulada em exposição; tolice guardar luz no bolso quando tanta gente sofre de escuridão.

Tenho carregado meu Graal com respeito e amor; e confesso que, vez ou outra, escolho a dedo quem deve beber dessa taça; porém, cada vez que compartilho a minha luz com quem não conheço, a luz da taça parece durar mais. Será esse o segredo?

quinta-feira, junho 13, 2013

A MEDITAÇÃO E O BANQUETE



Cansado de lutar com os meus pensamentos, virei a mesa e os convidei para jantar.

Eles ficaram confusos, e ao invés de passearem para lá e para cá; em dúvida, aceitaram meu gesto amigo e se sentaram ao meu lado para degustar o jantar. Foi quando percebi que os pensamentos não eram inimigos, eles eram meus aliados.

Maldito professor de meditação que sem nada o que fazer, me ensinou erradamente os pensamentos eliminar. Não é preciso se livrar dos pensamentos, só é preciso deixá-los passar.

Sorri e terminei a meditação, enquanto meus pensamentos lavavam os pratos.

quarta-feira, junho 12, 2013

Feliz Dia dos Namorados e dos Amigos (Um grande abraço do amigo Frank)


“Que droga! É novamente o dia dos namorados !” dirão os solteiros.  Eu queria que todos os dias fossem dias dos namorados” dirão os apaixonados. “ Dia dos namorados??? Quando???” perguntarão os esquecidos (namorados, noivos e maridos que não só queriam, como acreditam que todos os dias são para namorar e nenhum deles deveria envolver presente - as mulheres, noivas e namoradas não esquecem, nem da data, nem dos presentes que deveriam ser recebidos); mas além dos presentes, do carinho trocado, do esquecimento e da solidão que aperta ainda mais no peito dos solitários nessa data, o Dia dos Namorados é acima de tudo, um dia para celebrar a amizade. 


Sim, isso mesmo, aqui no Brasil, essa idéia não é tão difundida (aliás o Brasil é um dos únicos lugares do mundo onde comemoramos essa data no dia 12 de Junho e não em 14 de Fevereiro), mas é muito comum em outros cantos desse planetinha, amigos trocarem cartões e presentes nesse dia. Assim, de certa forma, ninguém acaba se sentindo sozinho e uma data como essa se torna uma grande oportunidade para rever quem gostamos e recebermos carinho das pessoas que se importam com a gente (mesmo quando não estamos saindo com ninguém). O fato é que é sempre bom lembrar a importância de nossos amigos, afinal, amizade também é um relacionamento muito importante na nossa vida e nossos amigos ocupam um papel às vezes, até mais importante do que aquele paquera ou a namoradinha ou namoradinho que vive nos dando mais motivos pra chorar que rir. 


“Mas o Dia da Amizade, já existe” dirão aqueles já cansados de tanta data comemorativa, “o dia dos namorados deve ser só para os namorados”. Tudo bem, mas se olharmos bem o significado da palavra “namorar” temos: "sentir amor por alguém, e inspirá-lo a alguém". E não é assim, que certos amigos nos fazem sentir? Será que não existe amor entre amigos? Será que uma amizade não tem o poder de te inspirar?


Por isso, nesse dia desejo a todos os meus amigos: um Feliz Dia dos Namorados e dos Amigos

O Plano Astral Também Evolui



A luz das estrelas que chega aos seus olhos, observador, é o brilho fantasma das estrelas que já não existem mais. As informações do astral que lhes chegam pelos olhos e ouvidos do médium, peregrino, não passam de eco e reflexo do astral que já foi assim um dia e agora já não é mais.

Nada escrito na Terra consegue descrever em tempo real o que há por lá; nenhum de nossos sentidos consegue sintonizar e perceber as coisas que ocorrem por lá, sem a distorção natural de quem vive num tempo que não é mesmo que corre nos relógios astrais.

Portanto, espiritas de leituras jurássicas; espiritualistas de projeções atrasadas, preparem-se: o que vocês vão viver ao desencarnar não é nada parecido com o que tentamos, em vão, descrever no lado de cá.

terça-feira, junho 11, 2013

Sacrofício


Chego em casa mais cedo, vou conseguir ter tempo para meditar.

Minha esposa dorme e meus filhos também. Tomo banho, coloco meu pijama, vou para a sala, coloco uma melodia de flauta no som, preparo-me para um rápido pranayama e escuto meu filho David, de 6 meses acordando. Torço para que ele volte a dormir, ele não escuta meus pensamentos e começa a chorar. Torço para a minha esposa acordar, ela também não me escuta, dorme profundamente. Enfim, levanto.

David para de chorar quando sente que eu entro no quarto.

- Fica quietinho aí, cara. Papai está ocupado - digo baixinho suficiente para ele escutar a minha voz no escuro e evitar que a minha filha de 2 anos acorde.

Eles dividem o quarto.

Quando ameaço sair, ele chora... Volto e ele para.

- Ok, ok, estou aqui - digo sussurrando, só faltava os dois acordarem.

Penso em levá-lo para a Auri. Não o faço. Ela dorme o sono das mães exaustas de um dia cuidando de dois.

Mas eu também estou exausto, penso, e David balbucia algo, sei que ele quer que eu o pegue.

Seguro David na sala. É quase meia-noite e o moleque quer brincar, seu sorriso se abre diante da minha cara fechada, e dai, não consigo não imitá-lo.

O resultado: pai e filho roncando na sala, enquanto o Jô Soares manda seu beijo do gordo. A meditação...

segunda-feira, junho 10, 2013

ENCONTRO

Por: Gê Marques

Encontrei outro dia uma antiga sacerdotisa, e velha conhecida de quem fui discípulo, a Alegria.

Lembrei-me dos muitos anos em que estive a seu serviço, e a quem dediquei minha mais profunda devoção. Rituais sem conta, sob seu comando, em busca dessa conexão misteriosa. Estudos em que consagrei a Vida em seu altar e, sob o sacerdócio da Alegria, me dispus a aprender a conduzir minha alma em Seu labirinto. Danças, cantos, êxtase – para encontrar o lugar da transcendência, e seu mais íntimo sentido. Como se invisíveis teias ligassem todas as coisas e acontecimentos em um oculto Significado.



Coloquei-me em seu templo, para deixar-me conduzir pela sacerdotisa. Passados os primeiros tempos de uma conversão que ressignifica tudo, que se decantou em algo que parecia limpidez, mas que era estagnação. E a paixão da busca transformou-se em desencanto. Assim, culpei a sacerdotisa pelos enganos, pela má condução, pela minha desistência. 


Como a Vida já não se apresentava luminosa, supus que houvesse deixado de existir. Ou que nunca havia sido, fresca e milagrosa, como quando a Alegria me exalava Seu sagrado.

E o ressentimento me fez abandoná-la, culpando-a pelas ilusões vendidas.

Então voltei a encontrá-la casualmente em uma manhã ensolarada. Uma brisa matutina eriçou minha pele e recuperou lembranças do frescor da minha busca. Neste momento, enquanto a Alegria me olhava de tempos passados, entendi. 

Para que ela me conduzisse em seu Altar e em seu Templo, e dela eu recebesse suas Instruções, seria necessário que essa alma a olhasse em seu brilho. Corações ensombrecidos não conseguem lembrar-se da luz. Almas desistentes em suas derrotas não podem lembrar-se da esperança. No vale obscuro do medo, a coragem da eterna busca não viceja.

Olhei a antiga sacerdotisa em minha frente, a quem responsabilizei por não transmitir bem seus ensinamentos. E pude ver que eles sempre estiveram ali, me esperando. Quem não estava mais era o aluno e o devoto.


Por Gê Marques

Link do Facebook:  http://www.facebook.com/ge.marques/posts/10152753126710707 

sexta-feira, junho 07, 2013

PROFESSAUROS



Professor véio
que se esqueceu de sorrir
pediu que você deixasse de rir
das cócegas que o aprendizado dá
quando entra sem pedir licença
e pede pra ficar...

quinta-feira, junho 06, 2013

RECLAMA



Gente que só reclama não gosta de gente que só ama,
porque de acordo com quem reclama,
gente que só ama se engana 
porque todo amor é sacana.

mas a gente que só ama, sacana que é,
brinca com a gente que só reclama
dizendo que uns carregam sóis explodindo no peito,
outras chuvas de lamúrias da cabeça aos pés!!!

quarta-feira, junho 05, 2013

Oração de São Francisco de Assis.



São Chiquinho dos Animaizinhos,
cuidai também dos humanozinhos,
que dos animais,
são os mais pobrezinhos!!!

Oração de São Francisco de Assis:

"Senhor! Fazei de mim um instrumento da vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu le...ve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe.
É perdoando que se é perdoado.
E é morrendo que se vive para a vida eterna.
Amém!"

terça-feira, junho 04, 2013

FLORESTA



Entrei na floresta em busca da minha conexão com os outros;
há quem entre tentando fugir,
há outros que buscam tesouros para si;
eu entrei na floresta querendo apenas descobrir o que liga você a mim.

segunda-feira, junho 03, 2013

É assim que nascem as asas!!!




Mude suas opiniões, 
mantenha seus princípios. 
Troque suas folhas, 
mantenha suas raízes ...

Art - Pawel Jonca
Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply