domingo, setembro 30, 2007

Duas Gotas

A lágrima caiu por temor que não houvesse ordem no caos; não houvesse amor, somente dor. Como explicar o espirro vermelho no próprio espelho, a vida escoando no sereno da mata, nas mãos de um louco, dois sonhos desfeitos.

Crianças voltando as estrelas de um jeito adulto; cicatrizes no corpo e na alma em meio ao susto, a violência, fim de um ciclo, fim de tudo.

Dizem que para tudo há uma razão de ser, que não cai uma folha sem um porquê, que não existe tragédia e nem punição; mas mesmo com fé em algo divino ou certeza, bate assim uma tristeza, quando sangra o coração.

Mas quando o mundo chora, por coisas que acontecem no aqui e agora e tudo parece sem razão; devemos silenciar a mente e emanar do peito amor e compreensão. Pois julgar não ajuda em nada e o melhor a fazer é enviar para todos o que há de mais nobre em nosso coração: a compaixão.

Frank

Notas do Autor: Duas crianças foram encontradas mortas no Parque da Cantareira em São Paulo. Suas mortes foram obras de um maníaco que as atacou e matou a semana passada.

sexta-feira, setembro 28, 2007

4.0

Hoje dei um abraço de presente no meu grande amigo de caminhada. Vocês o conhecem como Gerson, eu o chamo peregrino.

Peregrino de olhar longe que parece caminhar nas estrelas; caminhante de coração peregrino em busca da canção certa para o seu coração.

Canção! Como falar de Gerson, sem falar em música, sem lembrar de uma canção. Meu amigo é pura melodia, sua voz trovadoresca e suave, transita facilmente do seu “Ninho de Amor” ao melô que rima “pipoca, pitanga, pimenta e pinga”.

Conheço esse homem menino, esse caminhante peregrino há 10 anos e por mais que ele seja uma metamorfose ambulante, algo nunca mudou: seu senso humano!

Humano de caráter, humano de amigo para todas as horas, humano para companheiro, humano para família.

Fico feliz por fazer parte do seu grupo de amigos e mais contente ainda quando ele me apresenta a todos como “irmão”.

É, irmão; consideração, respeito e confiança são essências para uma amizade que já dura 10 anos e nesse 28 de Setembro, saiba você, que eu iria mesmo a Espanha, só para te dar um abraço e te desejar FELIZ ANIVERSÁRIO.

Parabéns, meu irmão e ULTREYA!!!
Frank

quinta-feira, setembro 27, 2007

Na Presença do Avatar do Amor

Quando te senti, meu ego, foi assim desaparecendo na pequenez de mim mesmo. Você estava todo tempo ali, me observando e não julgando; me amando e cuidando. Eu, nem sabia da sua presença, até descobrir que você sempre esteve lá e eu senti vergonha de ser assim tão sem atenção, de estar boa parte do tempo dormindo, dispersado e distante, só assim para não perceber você sorrindo.

Desde que te senti, é a minha alma que agora sorri, de contentamento por ter percebido que você ainda está aqui e eu posso te sentir nas pequenas coisas: num sorriso de um bebê dormindo, no espaço que me separa do estranho no metrô, nas coincidências que teimam em ocorrer "por acaso", na música que ainda soa em meu ouvido.

Ò doce Krishna, dançarino dos campos, avatar do amor; que eu nunca esqueça que flertar com a vida é bailar contigo.


Frank

terça-feira, setembro 25, 2007

Ler por Prazer

Aprendemos a ler quando criança e ao longo da jornada em direção ao mundo adulto, alcançamos um bizarro objetivo inserido acidentalmente no método de ensino da língua portuguesa: ódio à leitura.

Parece contradição, mas chegamos à escola pequeninos, com uma fome de conhecimento gigantesca e somos obrigados a aprender a ler como adultos e quando finalmente somos adultos e já não temos o menos interesse em ler alguma coisa, somos convidados a ler um texto com um olhar infantil.

Essa situação pode parecer surreal, mas se repete em todas as partes desse país que se orgulha de reduzir a cada ano o número de analfabetos, mas exibe vergonhosamente uma estatística absurda de quase 28 % de alfabetizados funcionais (só sabem escrever o nome e ler o nome do bar ou do ônibus). Os professores (culpá-los ou não, eis a questão) mal preparados e mal direcionados, continuam com a sua missão de despertar o gosto pela leitura em seus alunos por meio do ensino da gramática, sem levar em consideração que é preciso primeiramente suscitar a arte do ler por prazer.

No artigo “Dígrafo” do escritor Rubem Alves, o autor disserta sobre o prazer da leitura e em como ele se orgulha de escrever como e para crianças. Ele conta com espanto sobre a carta que recebeu de um leitor juvenil, onde o menino diz que sua professora “pede” a ele e aos coleguinhas de classe para encontrar no texto dígrafos e outros termos que o autor sequer consegue imaginar o significado.

“Não consigo formular uma única frase humana com dígrafo”, ele diz e defende que não é possível teorizar sobre algo que nos dá tanto prazer sob o risco de matar essa vontade.

Não há dúvida alguma que o estudo da gramática é fundamental para o entendimento da língua portuguesa, mas o que precisamos fazer como professores, é uma reflexão sobre como equilibrar esse ensino com o convite a leitura. Essa á a proposta defendida pela professora e especialista da Unicamp Ingedore Koch, que em entrevista a Luis Costa Ferreira Junior conta que devemos priorizar a construção de texto com reflexão. Para entender como os textos funcionam, segundo a professora, é necessário primeiro o uso, depois a nomenclatura.

Ela nos conta que o estudo da língua portuguesa é essencial para que as nossas crianças possam aprender a se expressar claramente no mundo (ainda mais numa era de orkuts e MSN), mas é possível abordar a gramática, sem ter um ensino gramaticóide.

Para ensinar a interpretar um texto, não existem receitas de bolos, diz a professora, mas se o professor tornar a aula instigante e estimular a produção de textos com temas que os alunos se identifiquem, conseguirá manter em seus pupilos o gosto de “ler por prazer” que havia no inicio, sem que o aluno chegue à idade adulta sendo órfão de livro.

Frank

segunda-feira, setembro 24, 2007

Salva Eu


Jesus foi barrado no Planalto. Fez o que muitos desejavam, o que todos queriam fazer, invadir o lugar. Ele queria falar com o presidente, tinha o direito; o presidente é empregado do povo.

- É doente mental – disseram os médicos
- É ruim da cabeça – disse a mãe.

Não poderia ser diferente; só os loucos para cumprir o que planejam. Gente normal, como eu e você, fica em casa reclamando do descaso do governo, dos aloprados do senado, da ladroagem, da falta de vergonha de nossos políticos. Só loucos para reagir a essa picaretagem com o dinheiro público.

- Deus há de punir onde a justiça dos homens falha. – Diz a minha vó. Ela tem razão. Deus enviou Jesus a Brasília. Emissário do povo brasileiro. Não era carpinteiro, era um agricultor que saiu da Bahia até a capital para conversar com o presidente, tentar arrumar as coisas, mas foi rendido pelos seguranças do planalto. Crucificado pela força bruta, martirizado pelo preconceito e levado do local, enquanto gritava : “Presidente, salva eu! Salva eu, presidente!”

O presidente não ouviu e provavelmente nunca saberá que Jesus desceu até Brasília para conversar com ele e foi internado como louco.

Frank

• Ângelo de Jesus, 37 anos, agricultor baiano, invadiu o Planalto semana passada, pois queria falar com o presidente, mas foi detido pelos segurança e levado para um hospital em Brasília; segundo sua mãe ele tem muitas dividas e tem problemas na cabeça.

A Carta de Tarô

Buscar um novo emprego é uma jornada bandeirante em mata fechada; uma via dolosa; um caminho das pedras com pés descalços. Desde que cometi o pecado mortal
de sair de uma empresa sem arrumar outro emprego, tornei-me um Vasco da Gama idealizando uma Índia, mas aprisionado pelo gigante do Cabo das Tormentas da falta de oportunidade.

O navio de um desempregado ora avança em entrevistas e seleções, ora transborda em currículos naufragados, perdidos para sempre no limbo das agências de contratação e recursos humanos. A experiência profissional tão conquistada por vezes completa perfeitamente a vaga esperada, em outros casos, transforma-se em cicatriz escondida para não manchar o encontro marcado com o emprego desejado.

Um mesmo currículo pode receber diferentes opiniões:

- Hummm... não há experiência suficiente. – Disse uma moça em uma agência na Paulista. Deveria ter 18 anos e perguntou se eu tinha gostado de morar nos Estados Unidos quando leu que trabalhei em Londres .

- Experiência demais! – Disse uma senhora que provavelmente não ouvia nada do que eu dizia, mas preocupada com o jogo de paciência na tela do seu computador.

Interessante é que todas as entrevistas sempre acabam com a mesma promessa:

- Entraremos em contato!

Então, a brincadeira do relógio começa.

Empresa-bem-me-quer, telefone-mal-me-quer – a tortura do silêncio, a angustia da espera – se ao menos eles ligassem para dizer : “obrigado pelo seu interesse, mas o seu perfil é medíocre demais para a vaga”, mas não, a promessa nunca é cumprida e o coitado do candidato fica perdido em devaneios, sonhos, contos de fada; onde o emprego perfeito virá pela linha telefônica na próxima ligação.

Até que...Trimmmm!!!

- Alô?

O desejo se realiza e o tempo prova que o currículo certo chega à empresa adequada no momento preciso. Do outro lado da linha, alguém diz o que se tanto sonhou ouvir:

- Você foi aprovado!

O navio vence o gigante das tormentas; o cheiro das especiarias indianas e das contas que poderão ser pagas começa a vir pelo ar, mas por uma grande ironia ( eu diria até mesmo: sacanagem) do destino: após a primeira ligação, surge a segunda oferta, a terceira, a quarta e desempregado navegador agora precisa escolher a melhor rota para sua tão sonhada Índia. Nessa altura, os leitores podem dizer: não reclame de barriga cheia, mas como ter certeza se a empresa escolhida foi a melhor opção?

A resposta, às vezes, vem com o tempo; outras vezes vem soprada pelo vento...

Retorno para casa com a cabeça cheia de duvidas, mas com um sorriso no rosto – a escolha foi tomada e é muito bom voltar a trabalhar. Abro a porta, percebo que deixei a janela aberta do quarto. Não me preocupo, pois moro no 8º andar, e o Homem Aranha é herói e não ladrão. Acendo a luz e vejo uma carta no chão. Sei que é uma carta de tarô, pois já jogaram para mim uma vez; mas fico tentando entender como aquela carta foi parar ali. Minha esposa não joga ou lê tarô, nem eu. Deve ter entrado pela janela. Olho a carta e vejo um rei ou cavaleiro numa armadura dourada conduzindo um carro ou carruagem com dois animais. A carta se chama O CARRO. Movido pela curiosidade, vou até o oráculo eletrônico e digito o nome da carta e a resposta vem em múltiplos links: “ A carta O Carro: significa prosperidade, sucesso em uma nova jornada ou desafio.”



Ishilá!!!

Frank

quinta-feira, setembro 20, 2007

O Amor e a Pira

Quando o amor chegou
Não escolheu quando e nem que forma;
Mais ele jamais imaginou,
Que seria por aquela senhora.

Ela era tão formosa e tão bonita,
Que poetas inspirava.
Tão bela e forte como a vida,
Era para ele, a mulher que sempre esperara.

Mais o destino com seus próprios planos,
Agia em segredo e bem enigmático;
Aproximara os dois sem engano
Num evento cruel e trágico.

Ela acabara de enviuvar,
E conforme os costumes de seu povo
Ao seu marido deveria se juntar,
Sendo queimado viva na pira* junto ao corpo.

Por toda a sua vida ela sabia,
O que deveria ser feito;
E a morte já não era sua desconhecida,
Desde que o marido sofrera no leito.

O que ela desconhecia
Era que a vida tinha outros planos;
E novamente se apaixonaria,
Tendo que optar pela morte ou pelo amor de um estranho.

E o estranho lhe pedira,
Que optasse pela vida e não por seguir seu esposo;
E ela confusa não sabia,
Se seguia o coração ou pulava no fogo:

- Não posso mais viver, doce estranho!
Se vivo, Kali** me condena pelo resto da minha vida,
Não posso viver em desonra e remorso.
Reconheço que te amo, mais devo seguir a minha sina.

- Doce Senhora! Estranho não sou mais a sua pessoa.
Nem ao coração de quem me ama.
Continue viva e embora Kali rejeite a sua escolha,
Parvati abençoara a nossa chama.

E conta a lenda que a Senhora
Olhando o marido na pira em brasa
Mesmo contra a opinião de todos que a cercava
Optou pelo estranho por quem se apaixonara


Frank


***************************************************
Notas: * Era muito comum na Índia até o fim do século 19, que a esposa se matasse quando o marido morria. Muitas delas se atiravam na pira, onde era cremado o marido, por tradição e por crença que elas perderiam a honra se permanecessem vivas. A honra e a virtude até os dias atuais é muito importante para as mulheres na Índia, e era mais ainda no passado. Essa pratica foi proibida pelos britânicos que dominavam o pais naquela época, e o caso de um soldado inglês que se apaixonara por uma viúva que estava prestes a morrer, se jogando no fogo onde cremava o seu marido, tornou-se
um símbolo em Calcutá e até hoje essa estória é contada de vila em vila, mais infelizmente essa prática continua sendo feita pelo interior da Índia, mesmo com todo o esforço do governo para evitar que isso continue ocorrendo.
** Kali, Parvati e Shiva são nomes de deuses no hinduísmo. Segue abaixo uma boa definição tirado do site www.eclubbers.net/mat_shiva.asp :
¨Os deuses Hindus são sabiamente representados em diversas formas, assim como os humanos mortais possuem diversos estados psíquicos e manifestações de personalidade. Estes estados são demonstrados através de personagens. Kali é uma das manifestações de Parvati, esposa de Shiva. Kali é Parvati enfurecida. É muito parecida com o próprio Shiva, pois representa a destruição e renovação da energia estagnada, aquilo que deve ser eliminado. Possui uma expressão feroz, é de coloração cinza, pois mora num campo de cremação, atividade muito comum na Índia. Tem quatro braços, demonstrando muita agilidade e força. Segura uma cabeça decapitada em uma das mãos e uma variedade de armas nas outras mãos. Usa uma guirlanda de cabeças, representando os demônios que conseguiu dominar, ou seja, nossos próprios medos. Assim como Shiva, Kali aparece para eliminar a ignorância, a falta de verdade e do bom senso que está dentro de nós, e que devemos retirá-los para equilíbrio e fortalecimento da nossa personalidade.¨

domingo, setembro 16, 2007

Flor e o Espinho


Para quem tem certeza,
Não existem dúvida nenhuma.
Para quem dúvida,
Não existe prova alguma.

Para quem sabe,
Não há embaixo do sol, nada de novo.
Para quem desconhece,
Quem acredita vê pêlo em ovo.

Para quem segue em frente,
A queda é um passo de dança.
Para quem fica na frente,
¨ Tudo vai dar certo ¨ é conversa de criança.

Tentar se melhorar a cada dia,
Não é uma questão de ser crente ou inteligente;
É que não precisamos morrer para sacar que a vida,
É muito mais do que o que disseram pra gente.

Como podemos afirmar com convicção,
Que não há uma Força Maior ou nada a mais;
Se alguém nos prova a cada nova geração,
O quanto tava errada a ¨verdade absoluta¨ de 10 anos
atrás.

Que os amantes da vida e os enamorados do amor,
Continuem bregas e completamente louquinhos;
Pois eles um dia já foram céticos da beleza da flor
E defensores do enxergar o espinho.


Frank
02 de Abril 2003

Curvas e Rumos


As tragédias são reveladoras,
Os problemas são grandes mestres do Todo.
Pois somente quando as coisas não estão boas,
É que nos revelamos como realmente somos.

O que pensamos ser ruim sempre estará ao lado,
E isso não significa que o mundo é injusto.
É muito fácil gritar que é luz quando está tudo claro,
Difícil é fazer isso quando se está no escuro.

O fato de estudarmos temas espirituais na terra,
Não protege você da chuva que molha tudo.
Só deixa você muito mais alerta
Que toda tempestade é passageira no mundo.

Se algum amigo te desapontou,
Se alguém que você ama acabou de lhe deixar;
Não adianta fugir de todos,
Nem na caverna se isolar.

Não culpe ninguém por isso.
Nem entre numa de se lamentar.
Nada disso foi castigo divino,
Apenas algo que você precisava experimentar.

O segredo é continuar seguindo,
Pois isso acontece com todos;
E cedo ou tarde você vai acabar descobrindo
Que o que parecia ser perda, foi na verdade um ganho.

Afinal que Pai ou Mãe quer o mal pro seu filho ?
Não são no seu coração que há uma luz maior que mil sóis
juntos?
Espere e veja, pois o que parece ser a vida saindo do trilho,
É apenas uma curva para que ela retorne ao seu rumo.

Frank

21 de Março de 2003

sexta-feira, setembro 14, 2007

A Pedra


Havia uma pedra no caminho*, porém, para o poeta, aquela não era simplesmente uma pedra. No meio da estrada, ela chamava os olhos, inspirava o caminhante a prestar atenção nela.

Havia centenas de pedras por ai, mas o viajante poeta nunca tinha visto pedra mais bela que aquela, era como se um brilho intenso pulsasse do seu interior e refletisse nos olhos do poeta, que não pensava em outra coisa a não ser escrever alguns versos, rabiscar algumas palavras que pudesse descrever, ainda que de forma singela, aquela pedra.

Como descrever aquela pedra de forma que todos pudessem entender o quanto ela era preciosa, mesmo que não fosse ouro, mesmo que não fosse uma pedra que fizesse os homens brigarem por ela. Sim, ela era uma pedra que inspirava coisas boas, não exigia posse, apenas que lhe fossem dirigidas palavras sinceras.

Havia uma pedra no caminho do poeta e dependendo de como ele olhasse para ela, essa pedra poderia ser um diamante ou um entrave que machucaria seus pés, suas pernas.

Como você está olhando as suas pedras?

Frank

Nota do autor:
* "Havia uma pedra no caminho" é inspirada na frase "tinha uma pedra no meio do caminho" do poema de Carlos Drummond que se intitula: No Meio do Caminho.
http://www.algumapoesia.com.br/drummond/drummond04.htm
A Imagem foi publicada no site:
http://noticias.uol.com.br/ultnot/album/070914olho_album.jhtm?abrefoto=9

quinta-feira, setembro 13, 2007

PACHA MAMA

Avenida Paulista, horário de almoço. O executivo afrouxa a gravata e sai do escritório, seguindo em direção ao lugar, onde costuma sempre almoçar. No caminho do restaurante, ele passa em frente ao parque Trianon-Masp, e sente vontade de entrar. O que é estranho, uma vez, que ele trabalha na Paulista á anos e nunca tivera vontade de entrar ali. Ele olha o relógio, calcula seu tempo e concorda em perder cinco minutos para satisfazer aquela estranha vontade.

Dentro do parque, ele caminha, sem saber muito bem o que faz ali; observa mendigos dormindo nos bancos, alguns velhos lendo livros, outras pessoas comendo lanches e lendo jornal. Ele olha para cima e vê pássaros voando e as arvores cobrindo os prédios, criando a ilusão que ele esta fora do centro de São Paulo. Ele nem sabe por que, mas se sente bem de caminhar por ali, como se a caminhada o renovasse, como se o verde do parque o envolvesse e o deixasse mais leve. O executivo então decide parar, e ainda seguindo aquela estranha vontade, tira os sapatos e decide pisar na grama, no chão. E que sensação deliciosa, a grama macia parece fazer massagem na planta dos seus pés.

- Cara, porque será que nunca fiz isso antes- ele se pergunta, enquanto senta na grama e encosta o corpo no tronco de uma arvore. A sensação de leveza e o bem estar o leva a fechar os olhos por alguns instantes e imagens começam a surgir em sua mente.

Um grupo de pessoas parecendo índios sentados em círculos, ao redor de uma fogueira. O lugar lembrava uma floresta, pôr ele notava que por cima das arvores, montanhas com os picos nevados pareciam tocar o céu. Ele sabia de alguma forma que aquelas montanhas faziam parte da cordilheira dos Andes e aqueles homens eram Incas, sendo iniciados no mundo espiritual.

Um homem que parecia ser o mestre espiritual do grupo conduzia um exercício que buscava despertar em cada iniciado, sua centelha divina:

- Se conectem com o Grande Pai Manko Kapac e peçam proteção e força para sua jornada espiritual. Se concentrem no centro de energia na base da coluna e sintam que seu corpo e a terra são conectados. Deixem-se levar pelos cantos dos pássaros e voltem ao ventre da Grande Mãe, repetindo o seu nome, como se o som ecoasse do seu centro energético para a terra : PACHA MAMA! PACHA MAMA!PACHA MAMA!

O executivo abriu os olhos assustado, enquanto ainda podia ouvir de seus próprios lábios a palavra PACHA MAMA sendo pronunciada. Um estranho calor percorria sua coluna e ele sentia uma força interna tão intensa que parecia que ele tinha tomado cinco latinhas de Red Bull de uma vez só.

- Preciso vir aqui mais vezes - disse pra si mesmo, enquanto olhava o relógio. - Meleca, esqueci do almoço.

Saiu correndo para o restaurante, tentando lembrar o que ocorrera, o que vira, mas já não conseguia nem lembrar que nome era aquele que se ele repetisse lhe daria tamanho bem estar. Que palavrinha mágica era aquela que provocava tanta energia bacana?

Droga, deveria ter anotado. Disse enquanto cruzou com um grupo de músicos peruanos tocando musica em frente ao Metro. Uma moça veio em sua direção lhe oferecendo um CD. Ele gentilmente recusou, dizendo estar com pressa, mas ao olhar uma segunda vez, percebeu que na capa do CD estava escrito : Canciones para Pacha Mama.

Ele sorriu para a moça, agora lembrando de tudo e lhe perguntou:

- Quanto custa?


Frank

PACHA MAMA: Conhecida como "A Mãe Terra" por todo Peru, tem um culto muito antigo que dizem os locais vai alem da época do povo Inca. O nome dessa Deusa também é um mantra usado nos rituais xamânicos locais para a ativação dos chacras básico, sexual e umbilical.

quarta-feira, setembro 12, 2007

Renan escapa da cassação por 40 a 35


Há uma placa em um barzinho de Maceió, onde qualquer visitante pode ler a frase:

" Alagoas não é apenas terra de politíco corrupto, temos praias lindas, povo gentil e foi daqui que saiu o Djavan"

Alguém ai quer um pedaço de pizza?

Frank

Brasil : O país do Futebol e do Machismo

O Brasil é o país do futebol, certo? E do machismo, não? Todo mundo ama a "arte da bola". O campeonato brasileiro lota estádios. Os jogadores que atuam na seleção, são astros internacionais e recebem cachês milhionários. O futebol é realmente uma grande diversão, não é? Então , por que será que poucos sabem que nesse momento está acontencendo a Copa Mundial de Futebol feminino? Por que será que mesmo de graça, ninguém comparece para assistir os jogos do campeonato brasileiro de futebol feminino?

Estranho, não? Ingrato!!!

As mulheres não fazem feio com a bola no pé, assim como brilham com a bola na rede, na cesta ou em qualuer outro esporte que participam. Hoje o time do Brasil goleou a Nova Zelândia por 5 a 0. O time liderado pela jogadora Marta ( que já mostrou do que é capaz, quando ganharam o ouro nos jogos panamericanos)assume provisoriamente a liderança do Grupo D, com três pontos. A anfitriã China enfrenta a Dinamarca na outra partida da chave nesta quarta e jogará contra o Brasil no Sábado.

Comemoração!!! Estamos quase classificados e o nosso jogo foi um show de bola. Mas cadê o povo na rua? Cadê a mídia entrevistando as meninas? As mesas redondas discutindo os melhores momentos?

As nossas ruas deveriam estar lotadas com gente comemorando. Os empregados deveriam ter parado para assistir. Telões deveriam ter mostrado os jogos...se houvesse mesmo igualdade de oportunidades e se esse trabalho maravilhoso da Marta e sua equipe fosse devidamente prestigiado pela Fifa e pelo povo.

Não é...que pena! Perdemos com isso um grande espetáculo.

Frank

Beautiful


Há uma Beleza que salta da alma e reflete nos olhos. Uma beleza que mostra do que somos feitos e despe a ilusão da aparência. Essa beleza é eterna e carregamos com a gente para todo o sempre.

Essa beleza está ausente no toque dos amantes, mas sempre evidente no olhar dos amados. Essa beleza é nossa identidade espiritual, e projeta-se além do corpo, em direção ao espaço que nos separa um do outro, e torna belo tudo o que fazemos, tudo o que criamos.

Essa beleza é o diamante que todos carregamos no peito. Um palácio de cristal protegido das emoções pesadas, das paixões desencontradas e das desilusões de sempre perder alguém que nunca foi seu.

Você é beautiful, em toda a sua grandeza, em todo o seu brilho. Não importa se você é jovem ou velho, magro ou gordo, branco ou negro.

Você é beautiful!!! Se não consegue ver isso no espelho, olha nos olhos de quem realmente te ama e verá a imagem da beleza que você possui de verdade.

Frank


Christina Aguilera - Beautiful

Every day is so wonderful
And suddenly, i saw debris
Now and then, I get insecure
From all the pain, I'm so ashamed

I am beautiful no matter what they say
Words can't bring me down
I am beautiful in every single way
Yes, words can't bring me down
So don't you bring me down today

To all your friends, you're delirious
So consumed in all your doom
Trying hard to fill the emptiness
The piece is gone left the puzzle undone
That's the way it is

You are beautiful no matter what they say
Words can't bring you down
You are beautiful in every single way
Yes, words can't bring you down
Don't you bring me down today...

No matter what we do
(no matter what we do)
No matter what they say
(no matter what they say)
When the sun is shining through
Then the clouds won't stay


And everywhere we go
(everywhere we go)
The sun won't always shine
(sun won't always shine)
But tomorrow will find a way
All the other times

'cause we are beautiful no matter what they say
Yes, words won't bring us down, oh no
We are beautiful in every single way
Yes, words can't bring us down
Don't you bring me down today

Don't you bring me down today
Don't you bring me down today
Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply