quarta-feira, maio 30, 2012

Ignorance is a Bless

Ela reclama que ele não a ama, que não a respeita, que a rejeita; diz que lhe falta coragem para renunciar a bobagem de permanecer com alguém que só a chateia, mas no fundo, no fundo, ela sabe que a razão pela qual ela não encontra alguém para ser seu parceiro de verdade é que ela só atrai aqueles que valem a metade do que ela procura, pois ela ainda também é metade.

terça-feira, maio 29, 2012

A Melhor Saída

A verdade é sempre a melhor resposta! A mentira dá voltas e te ilude e te enrola. A mentira vira um obsessor com vida própria.

- Mas há casos que...
Não há "mas"... A verdade é sempre a melhor resposta! A mentira dá voltas e te ilude e te enrola. A mentira vira um obsessor com vida própria.

- Eu não concordo...

Não há "eu não concordo"...A verdade é sempre a melhor resposta! A mentira dá voltas e te ilude e te enrola. A mentira vira um obsessor com vida própria.

- A verdade é tirania pura!

Porém, é sempre a melhor saída!

segunda-feira, maio 28, 2012

Grilos, Joaninhas e Jureminha

Na festa da Jureminha vem toda gente, todas as tribos são bem vindas, até mesmo os bichos grilos.

As joaninhas em sua infinita sabedoria colorida permitiram que um grilinho invadisse o recinto para saravá o congá da floresta.

Será que o grilo significa a chegada de um irmãozinho - os pais da Jureminha se puseram a pensar - ou será que o bichinho apenas pulou dentro do salão para comungar da felicidade que é ter o privilégio de trazer para esse mundo essa caboclinha dos olhos pretinhos e sorriso maior que o infinito?

sexta-feira, maio 25, 2012

Up On the Roof

Em cima do telhado, não há somente gatos franceses folgados, mas está essa menina que do telhado vê a vida com contemplação e discernimento, logicando o subjetivo, colando os caquinhos do caos que ela vê lá de cima.

Quando ela desce do telhado, tudo se mistura: tintas, aulas, obrigações e prazos em uma aquarela de loucuras, mas ela aprendeu que quando as coisas ficam doidas, o telhado lhe espera.

O telhado lhe espera porque o telhado está dentro dela, basta ela respirar um pouquinho e as nuvens carregadas dão lugar as nuvens golfinhos que pulam de céu em céu revelando à menina, os mistérios além do véu.







;



When this old world starts a getting me down
And people are just too much for me to face
I'm gonna climb way up to the top of the stairs
And all my cares they drift right into space
Oh on the roof it's peaceful as can be
And there the world below, it don't bother me
No no no no
So when I come home feeling tired and beat
I got to go up where the air is fresh and sweet for me now
I'm far away from the husteling crowd
And all that rat race noise down in the street
Oh on the roof, that's the only place that I know
Look at the city baby
Where you just have to wish to make it so
Lets go up on my roof
And at night the stars, they put on a show for free
And darlin' you can share, share it all with me
Hear what I say
Keep on tellin' you that
Right smack dab in the middle of town
Well I've found a paradise just about trouble proof I know now
And if this old world starts a getting you down
Well there's room enough for two up on my roof
Up on my roof
Up on my roof
You've got to come on up
Bring it on up
Come on up
Come on up
Drop what you're doing tonight
And climb up the stairs with me and see baby
We got the stars up above us and the city lights below
No no no no no no no no
Up on my roof
Up on a roof

quinta-feira, maio 24, 2012

O Ano da Jureminha

Há 12 meses, eu provava o gostinho do sentimento que ficará comigo o resto da minha vida: amor incondicional.

Sim, ser pai é finalmente saber que quando você ama não é para você.

Parabéns, minha filha, que essa data se repita se repita se repita, pois a coisa mais linda da vida é repetir aquilo que nos dá alegria.

quarta-feira, maio 23, 2012

O Rei Davi e a Cidade do Golias

Enquanto na cidade reina o caos, vejo o pequeno Davi pintado com o azul de Krishna. A cidade Golias - esmagando todo mundo - Davi bem pequenininho - não tá nem aí para a greve do metrô e para toda essa gente correndo desesperada para chegar no trabalho atrasada.

O pequeno Davi parece se divertir enquanto milhares de pessoas reclamam que viver em São Paulo é um inferno; talvez você ache que Davi por ser pequeno não é esperto e que assim que crescer, ele vai reclamar também. Porém, a questão não é se Davi ao crescer será vencido pelo Golias, a questão é: o que nós temos haver com isso?

Sim, reflexão profunda sem resposta, quase um koan, um mistério indecifrável é ver o mundo girando pelos olhos de uma criança.

terça-feira, maio 22, 2012

Papo Costurado


Vamos conversar sobre o que você quer ouvir, qualquer outro assunto pode te ofender, abalar as estruturas da "Diva" que há em você, celebridade que exige arroz doce, paçoca, queijo nobre, vinho francês, para que todos tenham um gostinho da sua lucidez.

Vamos pedir a todos uma grande salva de palmas para que você se sinta feliz e bajulado, afinal, esse espaço foi feito para você como um palco da sua iluminação. Senta ali embaixo da sua árvore budhica e mostra o Sidarta que há em você, vai? Mostra o Baba, que precisamos ter.

Vamos bater esse papo meio que costurado para que você possa compreender que nunca é o outro, tudo é sempre sobre você, portanto se lá fora, o mundo parece chato e sem graça, ele é apenas um reflexo do seu ser.

segunda-feira, maio 21, 2012

Jureminha Faz um Ano

Um ano de um adulto não dura um ano de uma criança; pois contamos os anos que passam por datas especiais e conquistas alcançadas; as crianças contam os anos pelos dias que acordam e pelas noites que dormem, sabendo que um dia pode durar um ano e a noite...ahh, a noite só atrapalha a continuação do dia.

Para os adultos, os anos se aglomeram. Ou queremos que eles passem logo nos tempos difíceis ou os queremos congelados na velhice. A criança ainda não aprendeu que o tempo pode ser um adversário; por isso o tempo dela é sempre amigo, aliado da diversão, do aprendizado.

Adulto vê o tempo como correnteza que leva tudo embora; a criança vê o tempo como gota de chuva ou água de chuveiro que fascina e refresca e flui com a gente por toda a vida.

A Jureminha vai fazer um ano. E que ano, quanto aprendizado. Nem preciso dizer quem aprendeu mais, porém o que é necessário lembrar é que quando você se torna pai, os anos deixam de se aglomerar e cada dia conta e cada noite é uma despedida daquele menino ou menina que resgatou a aliança do tempo que fora perdida.

quinta-feira, maio 17, 2012

Explicando a Piada

Um dia, o mundo será repleto de pessoas que já tenham aprendido a ler nas entrelinhas, que busquem ampliar suas mentes antes de buscar expansões da consciência na casa da carochinha.

Talvez no futuro, quando a ansiedade ceder lugar a contemplação, vamos trocar o fast food da televisão pelo ruminar da leitura, quem sabe a partir daí, meu povo tenha a candura de estudar o que estuda.

Eu acredito em melhores dias, onde ninguém precise explicar a piada, pois a graça veio naturalmente, pois todos buscaram associar seus corações à suas mentes, sem enrijecer demais ou amolecer de menos.

Espero que todos nós, espiritualistas pseudo-neófitos, possamos compreender que conhecer mais sobre o mundo de lá, não é ignorar o mundo de cá do nosso lado, afinal, já dizia hermeticamente aquele menino egípcio: "o que está em cima é o que está embaixo."


" Nas ondas... recebi os recados de Iemanjá

Soltar... e ser leve para balançar

Aquele... que na vida se cristalizar

Mais dias... menos dias, na vida vai quebrar"

Reino do Sol
Hinário Primeira Lição

Tesouro

Tem gente que acorda com passarinho, eu acordei com um arco-íris que acordou o moleque em mim que disse assim: adulto de mim diminui a marcha e valsa!

Valsei enquanto ia contando vermelho, laranja, amarelo e quando cheguei no azul, lembrei-me de todas as vezes em que a visão do arco-íris antecipou grandes presentes na minha vida. Lá vem!!!!

Sim, há um tesouro escondido no final do paraíso, e esse tesouro é a própria contemplação que essas cores mágicas que transformam o nosso olhar começam e terminam quando a chuva cessa em nosso coração.

quarta-feira, maio 16, 2012

Deletada

Sou uma mensagem deletada em busca de um olhar; sou a palavra calada em busca de um escutar.

Sou a sujeira jogada para baixo do tapete querendo ser limpada; sou a escuridão da ignorância da verdade não revelada.

Sou tudo aquilo que você quer esconder: a cobiça desenfreada, a vaidade exacerbada, a inveja descarada.

Sou sua sombra querendo ser iluminada: sou tudo aquilo que você queria esquecer e que deseja ser lembrada.

Quero ser lembrada, pois sem me assumir, você sai do eixo; se esquece que nesse mundo de dualidade, tudo é relativo: tem mal que é pro bem, tem bem que é pro mal.

Quero ser lembrado para que você se dê conta que o erro que tanto te humilha e atrapalha é o seu trampolim para a vitória.

terça-feira, maio 15, 2012

O Lobo Vidente
















Uma menina estava descascando batatas quando sentiu que algo a observava.

A espinha esfriou, um arrepio assobiou : cuidado!

E ela viu um lobo pelo canto do seu olho e o lobo olhava para ela com o mesmo espanto.

Dai, algo ocorreu...

A menina e as batatas sumiram; e o lobo pode continuar sua jornada pela mata sem humanos a lhe assombrar.

segunda-feira, maio 14, 2012

Jureminha e o Dragão da Tosse

A gripe veio, derrubou o sorriso da minha menina; tirou o gira-sol do seu olhar. Dá-lhe remédio, dá-lhe cuidado. Sai gripe malvada, deixa a minha menina em paz.

Ela chora, a gente chora; ela espirra, a gente espirra; ela não dorme, a gente sofre.

Coisa triste é ver nossos filhos doentes, dá vontade  de trocar de lugar. Eu trocaria sem pestanejar, mas não é assim que funciona.

Ser pai é que é estar junto na "alegria e na tristeza; na saúde e na doença". Isso sim é promessa, qualquer outra coisa é coisa parecida que nunca será. Ser mãe é realmente amar, incondicionalmente, só de um lado; pois filho cresce, se esquece e vai embora.

Mas minha bebê está quase boa, a gripe está perdendo força e só ficou essa tosse , coff coff que ainda aperta o peito dela e parte  meu coração. Mas não tem problema não, amanhã essa tosse vai embora e a gente nem vai lembrar mais, até a próxima chegar e nos dar vontade de tossir por eles para eles se curarem...

sexta-feira, maio 11, 2012

My Feet

Hoje, eu gostaria de agradecer aos meus pés. Obrigado, meninos, por serem meus fiéis companheiros e nunca me deixarem na mão.

Sim, quero mandar um abraço especial para a sola dos meus pés por agüentarem firme e sem reclamar as trilhas da minha vida; mandar aquele afago caloroso para cada um dos meus dedos e dizer que cada um de vocês é especial, mesmo que eu não saiba bem o que cada um representa.

É claro, eu não poderia esquecer das minhas pernas - quero dizer a vocês, meninas, vocês são demais. Não deve ser fácil agüentar o meu peso, nem muito menos ter forças para suportar e me levantar dos meus tropeços ... E são tantos.

Por fim, aquele beijo para os meus joelhos por me ensinarem a mais importante lição da vida: ser flexível.
Obrigado, queridos, também por sempre me lembrarem de ajoelhar-me em humildade toda vez que o resto do corpo peca pela vaidade de querer ter asas sem aprender a viver bem com os pés no chão.

quinta-feira, maio 10, 2012

A canção de qualquer mãe

Por Lya Luft

"FILHOS, VOCÊS TERÃO SEMPRE ME DADO MUITO MAIS DO QUE ESPEREI OU MERECI OU IMAGINEI TER”.

Que nossa vida, meus filhos, tecida de encontros e desencontros, como a de todo mundo, tenha por baixo um rio de águas generosas, um entendimento acima das palavras e um afeto além dos gestos – algo que só pode nascer entre nós. Que quando eu me aproxime, meu filho, você não se encolha nem um milímetro com medo de voltar a ser menino, você que já é um homem. Que quando eu a olhe, minha filha, você não se sinta criticada ou avaliada, mas simplesmente adorada, como desde o primeiro instante.
Que, quando se lembrarem de sua infância, não recordem os dias difíceis (vocês nem sabiam), o trabalho cansativo, a saúde não tão boa, o casamento numa pequena ou grande crise, os nervos à flor da pele – aqueles dias em que, até hoje arrependida, dei um tapa que ainda agora dói em mim, ou disse uma palavra injusta. Lembrem-se dos deliciosos momentos em família, das risadas, das histórias na hora de dormir, do bolo que embatumou, mas que vocês, pequenos, comeram dizendo que estava maravilhoso. Que pensando em sua adolescência não recordem minhas distrações, minhas imperfeições e impropriedades, mas as caminhadas pela praia, o sorvete na esquina, a lição de casa na mesa de jantar, a sensação de aconchego, sentados na sala cada um com sua ocupação.

Que quando precisarem de mim, meus filhos, vocês nunca hesitem em chamar: mãe! Seja para prender um botão de camisa, ficar com uma criança, segurar a mão, tentar fazer baixar a febre, socorrer com qualquer tipo de recurso, ou apenas escutar alguma queixa ou preocupação. Não é preciso constrangerem-se de ser filhos querendo mãe, só porque vocês também já estão grisalhos, ou com filhos crescidos, com suas alegrias e dores, como eu tenho e tive as minhas. Que, independendo da hora e do lugar, a gente se sinta bem pensando no outro. Que essa consciência faça expandir-se a vida e o coração, na certeza de que aquela pessoa, seja onde for, vai saber entender; o que não entender vai absorver; e o que não absorver vai enfeitar e tornar bom.

Que quando nos afastarmos isso seja sem dilaceramento, ainda que com passageira tristeza, porque todos devem seguir seu caminho, mesmo que isso signifique alguma distância: e que todo reencontro seja de grandes abraços e boas risadas. Esse é um tipo de amor que independe de presença e tempo.

Que quando estivermos juntos vocês encarem com algum bom humor e muita naturalidade se houver raízes grisalhas no meu cabelo, se eu começar a repetir histórias, e se tantas vezes só de olhar para vocês meus olhos se encherem de lágrimas: serão apenas de alegria porque vocês estão aí.

 Que quando pareço mais cansada vocês não tenham receio de que eu precise de mais ajuda do que vocês podem me dar: provavelmente não precisarei de mais apoio do que do seu carinho, da sua atenção natural e jamais forçada. E, se precisar de mais que isso, não se culpem se por vezes for difícil, ou trabalhoso ou tedioso, se lhes causar susto ou dor: as coisas são assim. Que, se um dia eu começar a me confundir, esse eventual efeito de um longo tempo de vida não os assuste: tentem entrar no meu novo mundo, sem drama nem culpa, mesmo quando se impacientarem. Toda a transformação do nascimento à morte é um dom da natureza, e uma forma de crescimento.

 Que em qualquer momento, meus filhos, sendo eu qualquer mãe, de qualquer raça, credo, idade ou instrução, vocês possam perceber em mim, ainda que numa cintilação breve, a inapagável sensação de quando vocês foram colocados pela primeira vez nos meus braços: misto de susto, plenitude e ternura, maior e mais importante do que todas as glórias da arte e da ciência, mais sério do que as tentativas dos filósofos de explicar os enigmas da existência. A sensação que vinha do seu cheiro, da sua pele, de seu rostinho, e da consciência de que ali havia, a partir de mim e desse amor, uma nova pessoa, com seu destino e sua vida, nesta bela e complicada terra. E assim sendo, meus filhos, vocês terão sempre me dado muito mais do que esperei ou mereci ou imaginei ter.

quarta-feira, maio 09, 2012

Daat

O conhecimento pleno que flui da Fonte Universal não é o conhecimento transitório, dual e dimensional; o conhecimento pleno é o co-criar um olhar, Divino na fonte, Humano no buscar, investigar, desenvolvendo a fome de conhecimento em saciedade apenas em buscar.

O conhecimento pleno aprendido treina a nossa percepção para que saibamos agir como uma pluma que pesa ou uma espada que acolhe; permite que possamos transitar pelas casas sem pertencer a nenhuma; experimentar as diversas sensações, sem viciar-se em nenhuma delas.

O conhecimento pleno é um despertar para o aprendizado, sabendo que a jornada será infinita e só por isso, não precisamos ter pressa de saber o final dela.

terça-feira, maio 08, 2012

Wesak

Numa noite de lua cheia de maio, conta a lenda que três peregrinos desceram ao inferno para estudar os que viviam lá embaixo e retornaram aos céus, seguindo setas douradas deixadas pelo rabino de Israel. Dois deles eram guiados por um terceiro; um tutor meio torto, meio direito - mas cada um tem o que merece, já diziam os Grandes Mestres.

Era a noite da Grande Lua Cheia de Maio, cheia de mistérios, sabedoria e significado; o dia propicio para as grandes mudanças que os três queriam incorporar em suas vidas; mas o que os dois pupilos não sabiam era que quem os guiavam, preparava uma surpresa para o fim da travessia.

No alto do monte da cruz, em meio ao caos do som emitido pela multidão, enquanto toda a população saudava Dionísio, eles batiam na porta de Apolo e pediam iluminação. 

Iluminação para evitar a distorção dos desejos que atrai e prende o leigo; iluminação para que eles possam caminhar no escuro e continuar brilhando; iluminação para que eles não precisem tomar sempre o remédio da dor para se permitirem sentir o amor que flui do alto e transforma homens em Budas.

Ao atravessarem o Grande Arco e escolherem as suas portas, algo para sempre foi mudado: um Buda dentro de cada um deles foi acordado. 

segunda-feira, maio 07, 2012

Olhar de Curumim


Olhar de Curumim

Quando era criança,  eu me surpreendia com a imagem da TV, afinal, de onde vinha aquele povo falando? Como toda aquela gente cabia dentro de uma caixa e como tudo aquilo era transformado em cenas de vida real? Curiosidade natural que se transformaria em um gosto pela aventura de aprender.

Eu me surpreendia com a música do rádio, com o som propagado. Olhar de curumim, surpreendendo-se com tudo a sua volta. Tudo era Divino, fascinante, que "da hora".  Eu aprendia, mas com sabor na boca de quem saboreia o que descobre, sem perder o encanto, sem deixar de dar valor.

Surpreendia-me com o vôo do avião no céu; com a construção dos prédios; com tudo aquilo que parecia tão complexo de ser feito, construído - tudo tão belo e tão incrível. Pura mágica!  Como é que isso acontecia?

À medida que fui crescendo, comecei a querer saber sobre o truque no fundo da cartola do mágico e pouco a pouco, fui deixando de ver graça no arco-íris, na dança das gotas da chuva caindo em poça de água suja. O aprendiz queria saber explicações e começou a se esquecer das verdades escondidas na contemplação.

Fui endurecendo a vista, controlando a emoção; a razão foi prevalecendo, o Curumim em mim desaparecendo; e eu já não me importava em saber de onde vinha o beija-flor ou para onde ia aquele vento que assobiava nas janelas das casas, talvez por ter pressa, levando embora rostos amigos ou outros tantos que nunca valeram a pena eu ter conhecido. Tudo tinha explicação, a mágica era apenas um truque, nada mais, nada extraordinário. 

Cresci matando os milagres; esses pequenos presentes manifestados em grandes feitos pela minha vontade. Assassinei o Grande Mistério, cortando-o em fatias de explicações cientificas; mergulhando em teorias quânticas que se perderam no labirinto atômico da matéria.

Quando eu já me achava sem fascínio, um certo dia, nasceu a minha filha e a vontade de bater palmas diante do espetáculo da vida  recomeçou: clap! Clap! Clap! 

E qualquer chance de emoldurar o milagre no mundo do comum se desfaz quando vejo ela sorrindo com o sol da manhã, querendo brincar, querendo descobrir o mundo com esse brilho de Curumim no olhar que nós adultos nunca deveríamos deixar apagar. 

Bravo! Bravo! Bravo!

sexta-feira, maio 04, 2012

O Entrave

Quando tivermos passado além dos conhecimentos, então teremos o Conhecimento; a Razão foi o auxílio, a Razão é o entrave.

Quando tivermos passado além do querer, então teremos o Poder; o Esforço foi o auxílio, o Esforço é o entrave.

Quando tivermos passado além dos prazeres, então teremos a felicidade; o Desejo foi o auxílio, o Desejo é o entrave.

Quando tivermos passado além da individualização, então seremos as Pessoas reais; o Ego foi o auxílio, o Ego é o entrave.

Quando tivermos passado além da humanidade, então seremos o Homem; o Animal foi o auxílio, o Animal é o entrave.

Transforma tua razão em uma intuição ordenada; que tudo em ti seja luz. Este é teu alvo.

Transforma teu esforço em um conhecimento igual e soberano da força da alma; que tudo em ti seja força consciente. Este é teu alvo.

Transforma teu prazer em um êxtase igual e sem objetivo; que tudo em ti seja felicidade. Este é teu alvo.

Transforma o indivíduo dividido na personalidade universal; que tudo em ti seja divino. Este é teu alvo.

Transforma o animal no Pastor dos rebanhos; que tudo em ti seja Krishna. Este é teu alvo.

- Sri Aurobindo -

Extraído do livro "Sabedoria de Sri Aurobindo”, Editora Shakti

quinta-feira, maio 03, 2012

De Acordo com a Corda

Nós somos o relativo e o particular transitando no absoluto; somos o tempo e o espaço acontecendo na eternidade.

Com o objetivo único de aprender, nos lançamos no vazio do Todo e tocamos no Tudo.

Somos banhados pela matéria para poder viver nela e caminhamos com o cajado-mente para compreender como nos equilibrar na corda-bamba dualista da matéria.

Embora os opostos não sejam inimigos, o dual atrasa quem não consegue perceber que pode enxergar mais do que aparenta a vista; por isso surgem escolas, templos e religiões com seus mestres, padres e professores que tentam reproduzir em seus palcos com os seus atores, o espetáculo da existência, cuja essência é a velha estória do homem esquecido que ao tentar encontrar quem o criou, se encontra consigo mesmo.

quarta-feira, maio 02, 2012

Vício Espiritual

" O problema do vício é que podemos ficar viciados em qualquer coisa, até mesmo no vício"


Há pessoas que vivem por toda uma vida sem conseguir sentir uma faísca dos fenômenos espirituais. Essas pessoas evoluem com os ciclos da Terra, não estão interessadas em aprender para saber nem em abrir os olhos espirituais na carne para despertar. Falar de coisas espirituais para essas pessoas é o sentido da famosa parábola de Cristo, quando ele dizia que não adiantava jogar ouro aos porcos. Por isso, quem sabe não perde o seu tempo e nem o da outra pessoa tentando falar da água para quem só ouve fogo. Quem ouve fogo evolui pelo fogo no tempo do fogo. Quem já sabe nadar, precisa ficar atento para não se afogar.

Há outros, talvez movidos por um chamado espiritual ou por uma sensação de desconforto perante a realidade, que buscam os fenômenos do ar na Terra, tentando enxergar em ritos e experiências, as provas que eles precisam para seguir em uma jornada de descoberta deles mesmos - afinal, não há segredo do universo se não a revelação de conhecermos a nós mesmos- e esses outros entram numa floresta cheia de trilhas e atalhos que muitas vezes desembocam numa encruzilhada onde eles precisam filtrar qual caminho vale a pena decifrar e qual nos iludirá por serem uma distorção de alguma verdade revelada.

Quer seja seja no caminho que nos liberta ou no que nos prende, os fenômenos espirituais se fazem presentes pois eles são uma espécie de linguagem do astral, que os manifesta nessas escolas da matéria como veículo de comunicação. Contudo, esses fenômenos não são o estudo em si, eles são apenas setas que indicam uma direção ou desenhos que lembram algo que a nossa memória na carne não consegue conceber por não suportar tanta informação concentrada.

Esses fenômenos podem aparecer na forma de visões, viagens astrais, comunicações com seres de outras dimensões, telepatia, mirações provocadas por plantas de poder ou até mesmo, incorporações; porém, uma vez que experimentamos esses fenômenos, precisamos seguir em frente estudando o que descobrimos e filtrando o que se apresenta pela frente.

Seguir estudando seria o passo óbvio para aqueles que tem como objetivo um estudo sério da espiritualidade na carne, contudo a maioria das pessoas que se " iniciam" na espiritualidade e que cruzam a trilha dos fenômenos se perde numa euforia de contabilizar os fenômenos em si, e abandonam seus estudos, se tornando viciados em buscar cada vez mais aquela euforia espiritual que sentiram e querem reproduzir mais e mais e mais.

Diante dessa euforia espiritual, essas pessoas que caminhavam a frente de quem nunca estudou coisa espiritual alguma, dão dois passos para trás, pois sem perceberem, elas caíram no canto da sereia que fascina e atrai, mais também joga o marinheiro para o fundo do mar, onde a luz chega distorcida e essa ilusão não permite o discernimento do auto-questionamento que liberta quem cai.

E quem vive no fundo do mar, acredita que continua em sua jornada espiritual, mas o vício ao canto da sereia é tão forte que eles jamais se darão conta qual foi mesmo o motivo que os fizeram estudar as sereias e as pessoas que ficam presas no fundo do mar.
Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply