quinta-feira, outubro 06, 2011

Vergonha de ser Umbandista


Não sou Umbandista, não gosto de "ismo", nem toco em nenhuma banda, mas tenho um grande orgulho da Umbanda e de tudo o que aprendi e ainda aprendo com os Orixás e com os Mestres de Aruanda, por isso, se em alguma discussão sobre religião, ouço alguém falando mal da Umbanda, essa pessoa vai ouvir; afinal, todas as religiões merecem respeito e de intolerante, já basta a nossa ignorância em relação ao diferente, porém, é interessante que isso não ocorre com muitos dos seguidores dessa religião afro-brasileira, a maioria nega de pé junto que já pisou em um terreiro, ou seja, o preconceito começa com os próprios praticantes da religião.

Uma coisa é ouvir o preconceito vindo dos evangelistas de plantão que adoram falar mal de qualquer religião que não seja a "cristã" deles, porém, perceber esse medo bobo de assumir o que faz vindo dos seguidores dessa religião tão linda, sempre me deixou muito curioso.

Certo dia, estava conversando com alguns amigos, um deles, umbandista de pai e de avô, e a discussão começou a girar ao redor da palavra "macumba" e acabaram, naturalmente, associando com a Umbanda, e lá fui eu, explicar que as coisas não eram bem assim, como os nomes e significados foram distorcidos, e defendi aqui e ali, tudo o que aprendi com a Umbanda, esperando que esse meu amigo, entrasse na discussão e falasse sobre a sua experiência, mas ele permaneceu em silêncio durante toda a discussão.

Quando o pessoal foi embora, olhei para ele e falei:

- E aí, o que ocorreu?

Ele olhou para mim e falou:

- Nada! Eu só não gosto de falar para as pessoas o que eu faço ou no que eu acredito. Eles não tem nada a ver com isso.

- Você tem razão - respondi - Afinal, não precisamos ficar por aí, levantando a bandeira de nada, mas acredito que precisamos nos manifestar quando vemos pessoas falando besteira sobre algo que conhecemos bem. E não consigo ficar calado quando ouço as pessoas pregando algo contra a religião alheia.

- Não me leve a mal, Frank! - disse ele - Mas não quero que as pessoas me chamem de macumbeiro. Por isso, quando elas me perguntam que religião é a minha, sempre falo que sou católico, ou se o pessoal for mais cabeça, que eu sou espírita.

- Mas você vive dentro de um terreiro de Umbanda!

- Eu sei, mas não tenho coragem, nem força para assumir algo que sei que vou sofrer preconceito...é mais fácil apenas dizer o que eles querem ouvir.

Não disse nada, mais é por esse e por outros que a Umbanda continua sofrendo todo esse preconceito e continua sendo considerada uma outra seita, dessas de fundo de quintal, que só existem para fazer o mal. E a diferença entre seita e religião, queridos leitores, é o preconceito que cada uma carrega.

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro Frank concordo com seu pensamento, também conheço pessoas que são umbandista e não falam que são, e eu que nunca fui a um terreiro não consigo ficar calada quando ouço alguem falar do que não sabe. Pude perceber que alguns umbandistas não conhece a umbanda como ela é, e tão pouco sabem da sua grande missão de reconstruir a sua imagem já tão deturbada.
Obrigada pela excelente matéria.

Ah linda sua filha!
Abs
Deise Domingues

INAMAR disse...

Grande verdade ! Não raras vezes os " filhos de congar ' são os maiores algozes da Umbanda!Mas na hora dae pedir !? São os primeiros da fila...fazer o quê ?
Deus abençoe a você e família.

Niva disse...

Oi! meu querido infelizmente existe ainda muitas pessoas com essas ideias absurdas, porém aqueles que falam isto são aqueles que vivem em buscas de resolver seus ideais e nunca assumem perante os outros parabéns é isso ai seja sempre assim que os orixás ti proteja e seja feliz há Jurema tá linda!

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply