terça-feira, dezembro 07, 2010

O outro não é como eu imaginava... E agora?

Por Dra Rosana Braga


Toda vez que alguém desperta em nós um sentimento de atração ou encantamento, tendemos a algumas reações bastante peculiares e características. Olhos brilhando, coração palpitando, ansiedade aguçada, pensamentos recorrentes das inúmeras possibilidades de encontro, entre outros que podem nos enredar nas teias da paixão. O fato é que a arena das expectativas é imediatamente armada!

Isto é, independente de o contato ter sido pessoalmente, por telefone ou pela Internet, quando o “sininho toca”, todo nosso corpo reage e toda nossa mente se prepara para o que pode estar por vir. E, mais do que isso, todo nosso ser se preenche com fantasias sobre quem é esta pessoa capaz de nos tirar do eixo e nos levar às nuvens.

A partir daí até o momento em que realmente começamos a reconhecer esse alguém – com todas as suas qualidades e limitações, muitas máscaras e simulações vão rolar. Não que as pessoas sejam falsas, de modo algum. Não é de caráter que estou falando agora, mas de dinâmica de relacionamento, algo que poderíamos chamar de “a dança do enamoramento”.

Acontece que quando queremos conquistar alguém, tendemos a – tal qual um pavão – exibir o que temos de melhor, de mais bonito e atraente. Afinal, a ideia é fazer com que o outro não tenha olhos para mais nada nem ninguém. E para corroborar com essa intenção, o outro também faz questão de alinhar seu senso crítico a fim de que o “exibido” seja mesmo tudo o que ele espera.

E que bom que funcionamos assim: na maioria das vezes, um quer ser gostado e o outro quer gostar, e vice-versa. É justamente essa congruência de desejos que abre espaço para que o amor surja... ou não! Porque o que vai se tornar cada vez mais evidente é o que cada um realmente é, com todos os seus méritos e débitos. E não há nada de mal nisso. Pelo contrário: é somente com essa realidade que podemos nos relacionar de fato!

O problema é quando um ou outro exagera na exibição e, na impossibilidade de sustentar tamanha idealização, termina por decepcionar; ou ainda quando um ou outro exagera nas expectativas e, na primeira constatação de limitação, termina decepcionado.

Sendo assim, mais do que tentar ser perfeito ou esperar a perfeição do outro, procure se relacionar da forma mais espontânea e autêntica possível. Se o outro não é como você imaginava, tente perceber em que momento aconteceu o desencontro entre expectativa e realidade.

Se descobrir que está exigente demais e, por isso, tem se decepcionado facilmente, fique mais atento às suas próprias limitações e, certamente, vai se tornar mais complacente com o outro. E se descobrir que está carente demais e, por isso, tem se encantado com todo mundo, sempre na esperança de ter finalmente encontrado seu grande amor, comece a ter consciência do que realmente quer. Senão, vai se apaixonar e desapaixonar indefinidamente, cavando um poço de frustrações cada vez mais fundo.

Na dança do amor, a sintonia é bem maior quando cada um sabe reconhecer seus talentos, bem como admitir o que ainda precisa aprender. E se o outro não é como você imaginava, talvez você também não seja como ele imaginava... e que ótimo, porque agora resta apenas a oportunidade incrível de serem quem verdadeiramente são e ficarem disponíveis para alguém que se encante por essa realidade!

Este artigo foi escrito por:
Dra. Rosana Braga (Consultora)
Fonte: http://msnencontros.parperfeito.com.br

Um comentário:

Thiago B disse...

adorei o seu texto, o pior de tudo é que sabemos de tudo isso, mas um medo que nos consome, sabe-se lá de onde, não deixa que sejamos verdadeiros uns com os outros, muito obrigado.

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply