terça-feira, novembro 09, 2010

Crucificar Monteiro Lobato?

Por Lya Luft

No curso de uma vida somos submetidos a muita insensatez e muita tolice. Nem tudo é Mozart ou Leonardo da Vinci, carinho de amigos e filhos, abraço da pessoa amada. Então, a gente vai ficando calejado, para não expor demais a alma como alguém a quem retiraram a pele, e a quem a mais leve, mais doce brisa parece um fogo cruel. Pois nestes dias me deparo na imprensa com algo que rompeu minhas defesas e me fez duvidar do que estava lendo. Reli, mais de uma vez, em mais de um jornal, e ali estava: querem banir das escolas um livro (logo serão todos, logo serão de muitos autores, não importa por que motivo for) de Monteiro Lobato, porque alegadamente contem alusões racistas.

Ora, gente, eu fui nutrida, minha alma foi alimentada, com duas literaturas na infância; os contos de fadas de Andersen e dos irmãos Grimm, e Monteiro Lobato. Duas culturas aparentemente antípodas, mas que se completavam lindamente. Narizinho e Pedrinho moravam no meu quintal. Emília era meu ídolo, irreverente e engraçada. Dona Benta se parecia com uma de minhas avós, e tia Nastácia era meu sonho de bondade e aconchego. Eu me identificava mais com elas do que com as princesas e fadas dos antiquíssimos contos nórdicos, porque jabuticaba, bolinho, bichos e alegria eram muito mais próximos de mim do que as melancólicas histórias de fadas e bruxas - raiz da minha ficção.

Toda essa introdução é para pedir às autoridades competentes: pelo amor de Deus, da educação e das crianças, e da alma brasileira não comecem a mexer com nossos autores sob essa desculpa malévola de menções a racismo. Essa semente terá frutos podres: vamos canibalescamente nos devorar a nós mesmos, à nossa cultura, à nossa maneira de convivência entre as etnias.

Com esse perigosíssimo precedente, vamos começar a "limpar", isto é, deformar, muitos livros. Japoneses, árabes, alemães, italianos, poloneses, índios e negros (ou não posso mais usar essa palavra?) sofrem ou podem sofrer ataques racistas. Isso é motivo de penalidades da lei para os racistas, se for o caso. Racismo dói, eu sei disso. Quando menina, certa vez um grupo de crianças nem louras nem de olhos azuis me cercou no pátio da escola, e elas dançavam ao meu redor cantando “alemão batata come queijo com barata”. Não gostei. Doeu-me. Hoje acho graça: na hora não foi engraçado.

Mas por isso vamos cavoucar em livros de história e banir os amores - o que só se admite em casos claros de repugnante racismo, não importa contra que raça for, diga-se de passagem? Essa planta rasteira, que vai contaminar nossa cultura, tem de ser cortada pela raiz. Ou a caça às bruxas vai se disseminar feito peste, pois é uma peste, iniciando um processo multiplicador de maldades comandadas por inveja, ou seja o que for, destruir obras, vidas, memórias, e atacar sobretudo as almas infantis como insetos daninhos. Não permitam isso, autoridades responsáveis e competentes: uma vez iniciado, esse processo não terá fim.

O politicamente correto pode ser perigoso e hipócrita. Os meus olhos azuis, como os de um de meus filhos, e os olhos escuros dos outros dois, como os oblíquos dos japoneses e os olhos pretos dos árabes, são todos da famí1ia humana, muito maior e mais importante do que suas divisões raciais.

Nem comecem a dar ouvidos a essas buscas mesquinhas por culpados a ser jogados na fogueira: livros queimados foram um dos índices sinistros - ao qual nem todos deram a devida importância - da loucura nazista. Muita tragédia começa parecendo natural e desimportante: no início, achava-se Hitler um palhaço frustrado. Deu no que deu, e manchará a humanidade pelos tempos sem fim.

Que não comece entre nós, banindo um livro infantil de Monteiro Lobato, o mais brasileiro dos nossos escritores: será uma onda do mal, uma nova caça às bruxas, marca de vergonha para nós. Não combina conosco. Não combina com um dos lugares nesta conflitada e complicada Terra onde as etnias e culturas ainda convivem melhor, apesar dos problemas - devidos em geral à desinformação e à imaturidade: o Brasil.

Fonte: VEJA - 06/11/2010

2 comentários:

K disse...

Não seria isso um dos sintomas do falso-puritanismo, usar a máscara do politicamente correto?

Por isso eu gosto das fontes originais, os trabalhos dos autores, as visões particulares, sem o bisturi dos "incomodados".

LisAnaHD disse...

Lendo a bio de Lya Luft, dou-me conta de que a etnia dela nunca foi objeto de escárneo na literatura infantil que a deleitou qdo criança. Portanto, L. Luft não tem argumento pra palpitar sobre as dores físicas e/ou psicológicas da etnia alheia a menos que o faça com empatia.

Alguém perguntou a Chico Buarque se ele lê (para os netos mulatos dele) determinados textos de Monteiro Lobato? Alguém perguntou a Carlinhos Brown (genro de Chico Buarque) o que ele acha disso? Como explicar a uma criança que sua própria etnia é objeto de deboche mas que a intenção não é deboche e sim 'apenas como se falava naquele tempo'? Chico Buarque de Hollanda e Carlinhos Brown seriam duas vozes a serem ouvidas sobre "O Racismo de Monteiro Lobato na Literatura Infantil Brasileira" pois ambos estão dos dois lados da questão. Lya Luft além de não estar do lado ofendido não tem EMPATIA por toda uma etnia alvo do "deboche racista lobástico'. --A.E. Gomes de Almeida

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply