quarta-feira, fevereiro 03, 2010

SOL DE AMOR – AURORA NOS OLHOS

Escrito por Wagner Borges

(Conversando Sobre um Grande Amor e a Luz)
É possível viver um Grande Amor, desde que o coração esteja aberto para isso.
Digo-lhe isso, porque muitos querem amar, mas de coração fechado e na base da autodefesa, por causa de emoções mal resolvidas.

Às vezes, as pessoas jogam toneladas de medo ou de ansiedade em seus melhores sentimentos, terminando por sepultar o amor que tanto queriam vivenciar antes.

Para amar, não basta só o amor; é preciso ter coragem também!

Sim, coragem de se abrir e deixar a luz eclodir em si mesmo, fazendo o próprio coração ser um sol.

É um desperdício ver um Grande Amor sendo detonado por questões mal resolvidas, ou por posturas medíocres.

Porque o amor possui um alto poder de transformação e de renovação do Ser.

Quando ele chega, tudo muda. E o coração acontece...

O amor é semelhante à luz da aurora, que dilui a escuridão na linha do horizonte do Ser... E se alguém é tocado por ele e, mesmo assim, ainda permite que as trevas rondem seu coração, é realmente uma pena.

Porque o sol é grande, mas se alguém fechar as cortinas do aposento, sua luz não penetrará ali. Da mesma forma, por analogia, se alguém cerrar as cortinas do ego na morada do próprio coração, o sol do amor não penetrará ali.

Ah, que coisa estranha é essa... Alguém desejar viver um Grande Amor e, ao mesmo tempo, ter medo da abertura causada pelo mesmo. Mas as pessoas são assim mesmo.

E nem sempre é fácil quebrar as barreiras que elas projetam contra a eclosão da luz, nelas mesmas. E, talvez, seja por isso que a dor tanto visita o coração dos homens.

E aí, em lugar do amor, surgem os bloqueios do ego; em lugar da aurora, as trevas no horizonte de si mesmo; em lugar da consciência feliz, a sensação horrível do vazio interior; e em lugar do equilíbrio e da compreensão, fortes distorções psíquicas.

Isso porque, sem amor, tudo fica opaco. Sem o seu sol, só sobra à noite escura do Ser. Daí, eu lhe pergunto: “Você está realmente aberto para um Grande Amor e pronto para aguentar a luz da aurora despontando em seus olhos?

Está pronto para abdicar de suas trevas interiores e mergulhar na luz?

Você tem coragem de entrar num sol e queimar suas tolices e posturas medíocres?

E mais: você tem noção de que um Grande Amor é um presente?”

A partir daí, de coração aberto, reveja os seus sentimentos e pondere mais em cima dos questionamentos pertinentes a eles. Se você errou antes, então conserte. Se agora compreende isso melhor, então se cure.

Porque o amor não é uma pessoa, é um estado de consciência! E o lugar do sol é dentro do seu coração. Então, que tal levantar as cortinas e, dessa vez, deixar a luz entrar completamente?

Porque repito, não basta só amar, é preciso ter coragem. Sim, coragem de vencer a si mesmo e de reciclar-se, constantemente, para tornar-se luz, como deve ser...

Um Grande Amor não cabe num coração medíocre.

Por isso, não basta só amar, também é preciso crescer*.



P.S.:

Desejo que você cresça, para que um Grande Amor seja um presente em sua vida.
E que você tenha a coragem de desembrulhá-lo em seu coração.
E que o brilho da aurora esteja em seus olhos.
E que isso preencha você de vida.
E que você se sinta honrado.
E que seja muito feliz.
Com um sol no peito...
E estrelas nos olhos**.

Paz e Luz.

- Wagner Borges – apenas seu amigo, não seu guru.
Jundiaí, 02 de fevereiro de 2010.

- Notas:
* Esses escritos são uma resposta ao e-mail de um amigo, que está muito triste porque sua amada foi embora. Segundo ele, ambos se amavam muito, mas também brigavam bastante, às vezes por coisas pequenas. E ele confessa arrependido, que poderia ter agido de outra maneira, sem tanta arrogância; e que agora percebe o quanto a amava.

No entanto, essas coisas acontecem e o importante é o aprendizado que se tira delas. Mais do que lamentar-se, é preciso discernimento e coragem de ver em que ponto errou, e melhorar a partir disso. Autoculpa não resolve nada, só leva a auto-estima para baixo. Então, é preciso crescer, mesmo quando as coisas não saem do jeito esperado. E isso não é fácil, para ninguém.

O certo é que não basta só amar; é preciso construir. E estar presente, pois os melhores jardins, quando não são cuidados devidamente, podem se encher de pragas e de ervas daninhas. E o coração é o jardim do Ser.

Para um Grande Amor florescer, não basta só amar; é preciso cuidar.

E o mais legal: o amor não é uma pessoa, é um estado de consciência.

E olhando o que escrevi para ele, fiquei pensando se esses escritos não seriam úteis para reflexões de outras pessoas passando pelo mesmo problema. Além do mais, o que eu poderia fazer por ele? Implorar a seu favor junto a sua amada, para que ela volte? Ou chorar junto com ele e compactuar com sua baixa auto-estima?

Como não sou assim e sempre procuro tirar o melhor de todas as situações, escrevi tudo isso para ele. E como o resultado foi legal e ele ficou contente com a atenção e os toques dados aqui, estou disponibilizando os escritos em aberto (mantendo o nome do meu amigo em sigilo, naturalmente), para todos.

Sim, talvez outros estejam passando pelo mesmo problema.

Oxalá esses toques possam ser úteis para eles também, de alguma maneira.

E o fato de ter escrito tudo isso não me isenta da necessidade de ponderar sobre as mesmas coisas e de melhorar o meu próprio coração.

O certo é que um Grande Amor é um presente e nem todos têm condições de reconhecê-lo. E, quando ele chega, tudo muda. E quem ama, sabe.

O amor é o amor; não se explica, só se sente...

** Enquanto eu passava a limpo esses escritos, rolava aqui no som o belo CD. “Eternity” – do músico new age alemão Deuter – Importado – U.S.A..

Obs.: A música “Love Songs from the Mountains” – 2a faixa do disco – é muito linda e inspirada. Faz realmente pensar no eterno e na luz da vida, que a tudo permeia, em todos os planos de manifestação. Faz pensar num Grande Amor. Ou melhor, sentir...

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply