quarta-feira, dezembro 02, 2009

A MÁQUINA DE LIVROS

Na estação do metrô Sé, há várias máquinas que vendem coisas: há máquina de refrigerante, máquina que vende camiseta, máquinas para tirar a sorte e uma máquina que vende livros por R$ 2,00.

Nessa máquina tem Machado de Assis, tem Drummond de Andrade; vi até Mário Quintana; mas não encontrei ainda Rubem Alves.

Apesar da fila da máquina de coca cola por R$ 2,50 ser sempre a maior; volta e meia, vejo alguém olhando para a máquina que vende livros, parecendo sedenta por um exemplar.

Essa crônica não é sobre a máquina, desculpem-me leitores, e sim, sobre essa senhora que eu vi pagando por duas cocas e se dirigindo, logo após, para a máquina de livros. Curioso, fiquei observando ela tomando as duas cocas e olhando para os títulos como se olhasse para uma máquina de salgadinhos.

Depois de passar algum tempo observando os títulos, ela pega um celular e liga para alguém:

- Filha? Sim! Tem Dom Casmurro, Cortiço... – ela vai dizendo livro por livro – Tem certeza que nenhum desses está na lista? – pausa, olhar interrogativo – Ah, pensei que valia a pena comprar!

Então, a mulher vai embora, deixando a máquina de livros esperando por algum outro “leitor de vestibular”.

2 comentários:

Guilherme R. Fauque disse...

Máquina de livros? Putz, esta novidade não tem no interior - rsrsrsrs

Mas já é algo bom! Entre tanta porcarias "fast food" a venda, temos também "fast book", e com ótimos títulos! Estamos evoluindo! rsrsrsrsrs

franka disse...

pensar que passei por essa máquina na sé hoje duas vezes e não vi essa cena. é pra quem pode, xará.

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply