sexta-feira, janeiro 02, 2009

Contando Estrelas

- Tio, o que é aquilo?

- É uma estrela, menino, uma estrela.

Que judieira, meu sobrinho nunca tinha visto uma estrela. Triste sina dos nascentes da cidade grande, crescer sem ouvir pio de passarinho livre, sem pular no rio. Que tristeza é ser filhote da mata urbana, sem correr o risco de roubar manga no pé, de pescar bota no açude, de varrer os olhos embaixo de um tapete de estrelas.

Por vezes, diante do cinza de Sampa, deixo a imaginação correr solta e vejo botos no Rio Pinheiros; vejo parques verdes em cada canto da feia Santo Amaro; vejo tucanos no lugar de pombos no centro e uma avenida de estrelas sob a paulista, com uma lua cantante que entoa serenata pelas ruas vazias da madrugada; daí o som de uma buzina estridente me acorda; alguém gritando "pega ladrão", me assusta e me encosto num canto, dando passagem a multidão que tem pressa e não tem tempo para contar estrelas.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply