sexta-feira, agosto 22, 2008

A MARIPOSA LIBERTADA

A mariposa entrou no banheiro, caiu no vaso e estava se afogando. Suas asas batiam desesperadas desejando que fossem barbatanas. Talvez em uma outra vida, ela renascesse peixe, nessa, estava condenada a morrer na minha privada, afinal, eu tinha mais o que fazer do que enfiar a minha mão naquela água só para salvar uma mariposa desesperada.

Mas o maldito coração, tomou de conta da razão e a retirei da tão fadada jornada. Gentilmente, a levei até a janela, me perguntando se ela teria forças para voar; ela teve e se foi pelo ar, batendo as asas, fingindo que era passarinho.

Contente, fui me inundando desse sentimento de gente orgulhosa por ter feito uma boa obra, uma pequena grande ação; contudo a imagem do espelho refletia a minha alma que dizia: você não fez mais que a sua obrigação.

Um comentário:

Little Fox disse...

Li alguns dos teus textos. Teu nome, moleque, não poderia ser outro... Frank... Francisco... Franco... parabéns pela genial simplicidade. Sou atriz e professora de Artes Cênicas. Gostaria imensamente de que me autorizasses adaptar alguns textos teus para teatro... podes me enviar a autorização? Meu e-mail: saralunalate@yahoo.com.br.
Bjos.

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply