quinta-feira, janeiro 10, 2008

A Balada de Radha

Bati na porta ao chegar em casa
Quem a abriu? Era Auri ou Radha?
Sândalo, melodia e som de flauta
E ela dizendo: “Bem vindo, Gopala!”

Deixei de ser adulto cansado
Tornei-me um menino azul
Na mesa um belo prato preparado
Era oferenda para mim ou Vishnu?

Auri caminhava, Radha sorria
O amor em pura devoção
Estávamos no Brasil ou na Índia?
Ou era outro lugar? Sei dizer não!

Mas nesse lugar se sente
Que o amor reflete o infinito
Bebe-se o agora e o sempre
Não há lugar mais bonito

E foi assim numa noite qualquer
Que Radha transformou-me em Krishna
Pois há entre todo homem e mulher
Um quê de Gopi, um quê de Govinda

Frank

Um comentário:

Anônimo disse...

Meu amado Gopala


Me banhei com perfume de sândalo
Me vesti de vermelho e me senti dourada
Preparando-me com amor e com zelo
Esperava a chegada do meu doce gopala

E como sua gopi não deixei faltar o sari
Pintei meu rosto pra que ao chegar apreciasse
Todas as cores que pulsavam no meu peito
No momento em que me visse quando chegasse

E acolhi o doce gopala do riso
Recebendo-o como sua amada Radha
Não sabia se devoção, amor ou alegria
O que era aquilo que de nós dois brotava

E decidi amá-lo de todas as formas
Ao meu menino azul, oferendas eu trazia
Abracei-lhe cantando então uma canção
E sorrindo dormiu quando o dia já amanhecia...

A você que me faz sentir como se fosse Radha, Oxalá eu possa sempre te alegrar com minhas peripécias e surpresas, ter sempre algo novo pra te surpreender, não deixar nunca nossos dias virarem rotina, criar algo novo em cada amanhecer...um beijo meu Krishna

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply