quinta-feira, julho 26, 2007

Quando Morrem os Sonhos

Há tempos que aprendi que para ganhar bem, teria que fazer algo que odiasse; pois para trabalhar com algo que trouxesse satisfação e motivação constante, eu provavelmente teria que pagar para trabalhar. Como sempre trabalhei com treinamento e estou me formando em Letras, participei de um processo seletivo para uma vaga de Educador Social, num projeto do governo federal chamado “Primeiro Emprego”, que basicamente capacita jovens carentes a entrar para o mercado de trabalho. Era a oportunidade que eu tanto procurava.

Em minhas andanças por esses quatro cantos do mundo, passei por lugares que o Brasil quer um dia se tornar e por outros que parece um retrato vivo do que fomos no passado e sei ( a vida me ensinou e está impresso em qualquer livro pré-jardim de infância ) que a educação é o único caminho para o nosso sucesso como nação e para passarmos de “país do futuro” para país do presente de uma vez por todas. A educação é essencial para que os nossos jovens possam ser profissionais de peso num mercado cada vez mais competitivo e que não sejam apenas cidadãos observadores e sim pessoas atuantes na sociedade em que estão inseridos. Baseado nisso, o convite para esse emprego era a minha grande chance de participar desse processo e contribuir de certa forma para o futuro do meu país. Nunca fui tão patriota, mas sempre acreditei que cada pessoa podia fazer diferença e eu estaria formando o próprio futuro dessa terra que tanto amo.

Tarefa nobre e bela. Para a minha surpresa fui aceito e para surpresa deles, aceitei imediatamente, mesmo sabendo que ganharia um terço do que ganhava antes e não teria beneficio algum, além da minha satisfação pessoal e profissional.

Valeria a pena, nem que fosse por um período de seis meses e que alegria era saber que o Governo estava usando o dinheiro do contribuinte sabiamente em educação. Estava otimista no Brasil, como nunca tinha estado antes e confiante que tudo daria certo. Finalmente seria pago para fazer algo extremamente nobre e gratificante. Então, um dia antes de começar a trabalhar, meu telefone tocou...

- Olá, Francisco! Precisamos conversar – disse a moça que me selecionara – ocorreu uma pequena mudança no projeto. O governo cortou parte da verba e precisaremos reduzir o seu salário em relação ao que havíamos combinado antes.

Como assim? Cortou a verba? – pensei - Eles deveriam aumentar a verba em educação. Não se tratava de investir em obras ou estradas; era um investimento no próprio futuro do país – então caiu a ficha: o futuro não elege ou reelege nenhum político.

- Então, podemos ainda contar com o senhor? – prosseguiu a moça.

Não é fácil tomar decisões sensatas quando os nossos sonhos estão em jogo. Se dissesse sim, incluiria o meu nome na lista dos grandes profissionais que auxiliam pessoas, mas que mal recebem para pagar as contas; por outro lado, se dissesse não, um sonho acabaria e morreria sob a pesada mão de uma realidade dura demais com os educadores que são os principais formadores do alicerce que sustenta a nossa sociedade. Precisava pensar, precisava de uma luz, um sinal, mas a verdade é que minha boa vontade não seria suficiente para sobreviver com um salário muito abaixo do que eu precisaria para pagar as minhas contas.

- Gostamos muito do seu currículo, mas não temos como pagar mais que isso – disse a moça e uma vez mais perguntou: O senhor aceita?

De todas as profissões, ensinar é uma das mais belas e infelizmente mais ingratas, mas perguntem a qualquer professor se trocariam sua profissão para ganhar mais em qualquer outra área e a resposta seria imediata: não! Será que eu conseguiria ser tão bravo assim? Será que eu estaria disposto a trabalhar praticamente de graça em prol de um objetivo maior?

- Senhor Francisco? Ainda ai?

- Sim – eu respondi, respirando profundamente - Obrigado pela oportunidade, mas não posso aceitar.

Chovia lá fora, quando o meu sonho morreu.

Frank

Foto: www.fotosearch.com.br

3 comentários:

Anônimo disse...

Bah Francisco sei bem o que é isso.
Não sou formada em educação mas assim como voce estou desistindo dos meus sonhos.
A muitos anos atrás trabalhei em um convenio que a prefeitura de minha cidade fez com a universidade e sei como era difícil pra mim ir mês a mês ir até lá para ir até o departamento pessoal e ver todas aquelas pessoas com um livro na mão e eu não e que apesar do convenio firmado entre eles,nós os funcionários não teríamos direito nenhum de estudar com alguma vantagem ou até mesmo ter alguma bolsa.
Quando eu saía na porta,colocava um óculos e chorava baixinho dizendo que um dia iria estudar.
Na mesma época meu marido fez um concurso público como o sonho da "estabilidade financeira".
Bah então as coisas que já não estavam boas ficaram pior pois chegou a receber meio salário mínimo.
Então eu que ganhava um salário tinha que dar um jeito,nas horas vagas trabalhava como manicure pra complementar a renda da família.
Imagina só duas crianças e um aluguel além das contas rotineiras,tivemos que fazer o dinheiro esticar.
Então um dia resolvi dar um basta!
E resolvi ir atrás de meus sonhos afinal o que é a vida sem um sonho?
Sempre acreditei que só se pode mudar através do estudo.
Então pedi demissão de meu emprego,meti a cara nos estudos até que passei no vestibular em uma universidade estadual.
Muitas vezes chegamos a não ter o que comer e ver as minhas filhas dizer "mãe estou com fome" foi muito marcante pra mim.
Então pensei em desistir mas uma professora acreditando na minha capacidade me escolheu para uma bolsa de ininciação científica.
Claro que gostei,só que a faculdade que faço não é o que gostaria de fazer e com esse dinheiro pensei em pagar uma faculdade a distância mas pagar o que realmente tenho o dom e vontade de fazer.
Então surgiu a oportunidade e fiz o vestibular e passei.
Fiquei realizada pois a cada novo conteúdo mais eu descobria que realmente era a minha vocação.
Mas aí veio minha decepção e vou ter que parar meu curso pois estou com o aluguel atrasado a vários meses e vou ter q desistir da faculdade paga pra tentar colocar em dia.
Isso está sendo muito difícil pra mim porque novamente estou adiando meu sonho.
Tentei arrumar estágio na área em vários lugares mas aqui infelizmente é assim,pra tudo tem que ter QI(quem te indique).
Há dias que fico desanimada mas a outros que tenho esperança.
Não posso acreditar que a vida é assim mesmo.
É preciso criar novas oportunidades,dar oportunidade a quem não tem mas tem capacidade.
Acho que ainda hoje ainda há reflexos de um passado negro.
Mas tenho fé que as coisas ainda poderão mudar...

Anônimo disse...

Bah Francisco sei bem o que é isso.
Não sou formada em educação mas assim como voce estou desistindo dos meus sonhos.
A muitos anos atrás trabalhei em um convenio que a prefeitura de minha cidade fez com a universidade e sei como era difícil pra mim ir mês a mês ir até lá para ir até o departamento pessoal e ver todas aquelas pessoas com um livro na mão e eu não e que apesar do convenio firmado entre eles,nós os funcionários não teríamos direito nenhum de estudar com alguma vantagem ou até mesmo ter alguma bolsa.
Quando eu saía na porta,colocava um óculos e chorava baixinho dizendo que um dia iria estudar.
Na mesma época meu marido fez um concurso público como o sonho da "estabilidade financeira".
Bah então as coisas que já não estavam boas ficaram pior pois chegou a receber meio salário mínimo.
Então eu que ganhava um salário tinha que dar um jeito,nas horas vagas trabalhava como manicure pra complementar a renda da família.
Imagina só duas crianças e um aluguel além das contas rotineiras,tivemos que fazer o dinheiro esticar.
Então um dia resolvi dar um basta!
E resolvi ir atrás de meus sonhos afinal o que é a vida sem um sonho?
Sempre acreditei que só se pode mudar através do estudo.
Então pedi demissão de meu emprego,meti a cara nos estudos até que passei no vestibular em uma universidade estadual.
Muitas vezes chegamos a não ter o que comer e ver as minhas filhas dizer "mãe estou com fome" foi muito marcante pra mim.
Então pensei em desistir mas uma professora acreditando na minha capacidade me escolheu para uma bolsa de ininciação científica.
Claro que gostei,só que a faculdade que faço não é o que gostaria de fazer e com esse dinheiro pensei em pagar uma faculdade a distância mas pagar o que realmente tenho o dom e vontade de fazer.
Então surgiu a oportunidade e fiz o vestibular e passei.
Fiquei realizada pois a cada novo conteúdo mais eu descobria que realmente era a minha vocação.
Mas aí veio minha decepção e vou ter que parar meu curso pois estou com o aluguel atrasado a vários meses e vou ter q desistir da faculdade paga pra tentar colocar em dia.
Isso está sendo muito difícil pra mim porque novamente estou adiando meu sonho.
Tentei arrumar estágio na área em vários lugares mas aqui infelizmente é assim,pra tudo tem que ter QI(quem te indique).
Há dias que fico desanimada mas a outros que tenho esperança.
Não posso acreditar que a vida é assim mesmo.
É preciso criar novas oportunidades,dar oportunidade a quem não tem mas tem capacidade.
Acho que ainda hoje ainda há reflexos de um passado negro.
Mas tenho fé que as coisas ainda poderão mudar...

hélen jardim disse...

Bah Francisco sei bem o que é isso.
Não sou formada em educação mas assim como voce estou desistindo dos meus sonhos.
A muitos anos atrás trabalhei em um convenio que a prefeitura de minha cidade fez com a universidade e sei como era difícil pra mim ir mês a mês ir até lá para ir até o departamento pessoal e ver todas aquelas pessoas com um livro na mão e eu não e que apesar do convenio firmado entre eles,nós os funcionários não teríamos direito nenhum de estudar com alguma vantagem ou até mesmo ter alguma bolsa.
Quando eu saía na porta,colocava um óculos e chorava baixinho dizendo que um dia iria estudar.
Na mesma época meu marido fez um concurso público como o sonho da "estabilidade financeira".
Bah então as coisas que já não estavam boas ficaram pior pois chegou a receber meio salário mínimo.
Então eu que ganhava um salário tinha que dar um jeito,nas horas vagas trabalhava como manicure pra complementar a renda da família.
Imagina só duas crianças e um aluguel além das contas rotineiras,tivemos que fazer o dinheiro esticar.
Então um dia resolvi dar um basta!
E resolvi ir atrás de meus sonhos afinal o que é a vida sem um sonho?
Sempre acreditei que só se pode mudar através do estudo.
Então pedi demissão de meu emprego,meti a cara nos estudos até que passei no vestibular em uma universidade estadual.
Muitas vezes chegamos a não ter o que comer e ver as minhas filhas dizer "mãe estou com fome" foi muito marcante pra mim.
Então pensei em desistir mas uma professora acreditando na minha capacidade me escolheu para uma bolsa de ininciação científica.
Claro que gostei,só que a faculdade que faço não é o que gostaria de fazer e com esse dinheiro pensei em pagar uma faculdade a distância mas pagar o que realmente tenho o dom e vontade de fazer.
Então surgiu a oportunidade e fiz o vestibular e passei.
Fiquei realizada pois a cada novo conteúdo mais eu descobria que realmente era a minha vocação.
Mas aí veio minha decepção e vou ter que parar meu curso pois estou com o aluguel atrasado a vários meses e vou ter q desistir da faculdade paga pra tentar colocar em dia.
Isso está sendo muito difícil pra mim porque novamente estou adiando meu sonho.
Tentei arrumar estágio na área em vários lugares mas aqui infelizmente é assim,pra tudo tem que ter QI(quem te indique).
Há dias que fico desanimada mas a outros que tenho esperança.
Não posso acreditar que a vida é assim mesmo.
É preciso criar novas oportunidades,dar oportunidade a quem não tem mas tem capacidade.
Acho que ainda hoje ainda há reflexos de um passado negro.
Mas tenho fé que as coisas ainda poderão mudar...

Ocorreu um erro neste gadget

AmazingCounters.com
Overtons Marine Supply